background image
Resultados do 3T10 1
R$ milhões
3T10
3T09
2T10
Var.
3T10/3T09
9M10
9M09
Var.
9M10/9M09
Produção aço bruto (mil t.)
1.953
1.824
1.937
7%
5.710
3.794
51%
Vendas Físicas (mil t.)
1.550
1.694
1.821
-9%
4.986
3.929
27%
Receita Líquida
3.241
2.858
3.587
13%
9.870
7.940
24%
Lucro (Prejuízo) Líquido
495
433
347
14%
1.171
614
91%
EBITDA (a)
735
417
872
76%
2.318
892
160%
Margem EBITDA
22,7%
14,6%
24,3%
+ 8,1 p.p.
23,5%
11,2%
+ 12,3 p.p.
Investimentos
697
574
758
21%
2.203
1.403
57%
Caixa
3.928
2.998
3.668
31%
3.928
2.998
31%
(a) Resultado operacional antes dos juros, impostos, depreciações, amortizações e participações.
Destaques Consolidados



No 3º trimestre de 2010, o Lucro Líquido e o EBITDA
atingem R$ 495 milhões e R$ 735 milhões, respectivamente.
Margem EBITDA alcançada no trimestre é de 23%.
Dados acumulados até setembro/2010:
Produção de aço bruto e laminados somam 5,7 milhões e 5,4 milhões de toneladas,
respectivamente, 51% e 41% superior aos volumes produzidos nos 9M09.
Produção de minério alcança 5,1 milhões de toneladas, 31% superior ao volume dos
9M09.
As vendas de produtos siderúrgicos cresceram 27% em relação aos 9M09 e atingiram
5,0 milhões de toneladas.
A receita líquida foi de R$ 9,9 bilhões e cresceu 24% quando comparada à dos 9M09.
O EBITDA atingiu R$ 2,3 bilhões, o que representou um incremento de 160% em
relação ao dos 9M09.
A margem EBITDA evoluiu 12 pontos percentuais em relação à dos 9M09.
O lucro líquido foi de R$ 1,2 bilhão, 91% acima do contabilizado nos 9M09.
A posição de caixa em 30/09/10 era de R$ 3,9 bilhões.
O índice dívida líquida/EBITDA em 30/09/10 era de 1,6 x.
Os investimentos totalizaram R$ 2,2 bilhões, 57% superior ao dos 9M09.
O valor de mercado da Companhia, em 30/09/10, era de R$ 23,0 bilhões.






PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA - Belo Horizonte, 28 de outubro de 2010. A Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A. - Usiminas
(BM&FBOVESPA: USIM3, USIM5, USIM6; OTC: USNZY; Latibex: XUSI; XUSIO) divulga hoje os resultados do terceiro trimestre do
exercício de 2010 (3T10). As informações operacionais e financeiras da Companhia, exceto quando indicado de outra forma, são
apresentadas com base em números consolidados e em reais, em conformidade com o IFRS (International Financial Reporting
Standards) As comparações realizadas neste comunicado levam em consideração o mesmo período de 2009, exceto quando
especificado em contrário.
1T10
Índice Interativo
ÍNDICE
Valor de Mercado: R$ 23,0 bilhões
BM&FBOVESPA: USIM5 R$ 22,70/ação
USIM3 R$ 25,77/ação
EUA/OTC: USNZY US$ 13,40/ADR
Latibex: XUSI 9,81
XUSIO 11,11
Dados de Mercado - 30/09/10
· Resultados Consolidados
· Desempenho das Unidades de Negócios:
- Siderurgia
-
Mineração
- Siderurgia
- Transformação do Aço
- Bens de Capital
· Mercado de Capitais
· Fatos Relevantes do Trimestre
· Balanço, DRE e Fluxo de Caixa
3T10
background image
Resultados do 3T10 2
Considerações Iniciais
Conjuntura Econômica
No cenário internacional, a economia mundial ainda é sustentada pelo crescimento dos países
em desenvolvimento, principalmente os chamados "BRIC's ­ Brasil, Russia, Índia e China, uma
vez que as economias desenvolvidas ainda sofrem os efeitos da crise fiscal e elevado nível de
desemprego.
No Brasil, após o forte crescimento verificado no 1T10, a economia começou a mostrar sinais
de desaceleração no 2T10, mas ainda assim o PIB cresceu 1,2%. A elevação dos
investimentos, do nível de emprego, forte oferta de crédito e demanda doméstica aquecida
verificada no 3T10, fizeram com que a expectativa de crescimento do PIB para 2010 chegue
próxima de 7,5%, de acordo com o boletim Focus do Banco Central.
Por outro lado, a crise nos países desenvolvidos, principalmente a desaceleração econômica
nos EUA, faz com que o real se valorize frente à moeda norte-americana. Câmbio valorizado,
associado ao forte crescimento da economia doméstica, cria um ambiente altamente favorável
ao aumento das importações.
Resultados
A Usiminas apurou no terceiro trimestre de 2010 uma receita líquida de R$ 3,2 bilhões, lucro
líquido de R$ 495 milhões e geração de caixa medida pelo EBITDA, de R$ 735 milhões,
respectivamente 13%, 14% e 76% superiores, quando comparados àqueles alcançados em
igual período do exercício anterior. Os resultados acumulados até setembro são ainda mais
significativos quando comparados aos 9M09.
O setor siderúrgico, todavia, passa por um momento totalmente atípico: o País deve
apresentar a terceira maior taxa de crescimento do PIB do mundo e o mercado brasileiro de
aços planos deverá crescer a níveis recordes, cerca de 40%, favorecido pelo bom desempenho
de praticamente todos os setores industriais. Entretanto, esse crescimento associado a uma
taxa de câmbio supervalorizada, cria um cenário altamente favorável às importações, que
afeta o crescimento da indústria como um todo e do setor siderúrgico. Segundo dados do
Instituto de Aço Brasil - IABr, a importação de aços planos deve alcançar um volume de cerca
de 3 milhões de toneladas em 2010, um evolução de aproximadamente 160% em relação ao
ano de 2009 e substancialmente superior à média histórica.
Esta competição acirrada, que acarreta um processo de desindustrialização preocupante,
conjugada ao expressivo aumento dos custos das matérias primas absorvido pelas empresas,
sem que houvesse o devido repasse aos preços dos produtos, tem afetado de modo
preponderante a rentabilidade das Companhias.

A Usiminas tem investido para reduzir os seus custos e, um exemplo disso, é a recente
entrada em operação da nova coqueria na usina de Ipatinga, que se configura como mais um
passo rumo à autossuficiência em coque. Atua também com vigor na disciplina dos
investimentos, preservando seus mercados e a saúde financeira, mantendo um caixa
consistente e um perfil da dívida adequado. Além disso, outras ações estão sendo colocadas
em prática com o objetivo de adicionar valor à Companhia, através da consolidação e
ampliação das unidades de negócios.

A Empresa busca aprimorar ainda mais suas ações de governança corporativa e esforços na
melhoria da transparência. Exemplo disso é a outorga do prêmio concedido à Usiminas pela
ANEFAC, ao se destacar como uma das vencedoras do Troféu Transparência. Pela sétima vez
alcançou esse reconhecimento, figurando entre as melhores demonstrações contábeis
publicadas no Brasil.

A Companhia continua empenhada no propósito de manter sólidos os seus fundamentos,
tomando as medidas necessárias para enfrentar os desafios impostos pela atual conjuntura,
mas, ao mesmo tempo, confiante de que as perspectivas de médio e longo prazo reconduzirão
a Usiminas a um patamar de destaque.
background image
Resultados do 3T10 3
Desempenho Econômico e Financeiro ­ Resultados Consolidados
Receita Líquida
A receita do 3T10 decresceu cerca de 10% em relação à do 2T10, alcançando R$ 3,2 bilhões,
em decorrência, principalmente, do menor volume vendido ­ 271 mil toneladas. Esta perda foi
minimizada pelo acréscimo nos preços médios praticados em cerca de 3%.
Nos 9M10, a receita acumulou R$ 9,9 bilhões, 24% superior à receita dos 9M09, em
decorrência principalmente do maior volume vendido.




Custos dos Produtos Vendidos (CPV)
O custo dos produtos vendidos totalizou R$ 2,4 bilhões no 3T10, contra R$ 2,8 bilhões no 2T10,
apresentando um decréscimo de 12% reflexo do menor volume de vendas, compensando o
acréscimo no custo de matérias-primas.
O CPV acumulado nos 9M10 foi de R$ 7,5 bilhões, 6% acima dos 9M09, resultado, basicamente,
do crescimento do volume de vendas no período e do acréscimo no custo relativo a matérias-
primas.
A margem bruta da Companhia apresentou a seguinte evolução:
Despesas e Receitas Operacionais
As despesas/receitas operacionais do 3T10 cresceram 17% em relação ao 2T10, em razão do
aumento das despesas com vendas, serviços de terceiros, contingências e operações com "swap".
Nos 9M10, houve uma elevação de cerca de R$ 33 milhões, ou 5% sobre o mesmo período do
ano anterior, basicamente pelo aumento das despesas com o custo de distribuição dos
produtos, gastos com pessoal e encargos sociais. Esses aumentos foram compensados por
menor déficit atuarial da FEMCO, recuperação de despesas com contingências e reversão de
provisão de ajuste de estoque a valor de mercado, dentre outros.
A margem operacional da Companhia apresentou o seguinte desempenho:
EBITDA
O EBITDA do 3T10 decresceu 16% em relação ao do 2T10, alcançando R$ 735 milhões, devido
ao menor volume vendido no período, compensado parcialmente pelo acréscimo nos preços
médios praticados.
3T10
3T09
2T10
9M10
9M09
17,1%
6,1%
17,1%
16,9%
2,4%
Margem Operacional
3T10
3T09
2T10
9M10
9M09
MI
89%
82%
88%
86%
83%
ME
11%
18%
12%
14%
17%
Total
100%
100%
100%
100%
100%
Receita Líquida
3T10
3T09
2T10
9M10
9M09
24,8%
11,3%
23,0%
23,6%
10,3%
Margem Bruta
background image
Resultados do 3T10 4
6.014
336
139
417
823
711
872
735
38,0%
12,6%
5,8%
14,6%
27,5%
23,4%
24,3%
22,7%
0,0%
5,0%
10,0%
15,0%
20,0%
25,0%
30,0%
35,0%
40,0%
45,0%
50,0%
0
1000
2000
3000
4000
5000
6000
7000
8000
9000
2008
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
EBITDA (R$ milhões)
EBITDA (R$)
EBITDA Margem
O EBITDA dos 9M10 cresceu 160% quando comparado aos 9M09 e atingiu a cifra de R$ 2,3
bilhões, reflexo do aumento do volume vendido.
As margens estão indicadas conforme quadro abaixo:










Resultado Financeiro
No 3T10 foram apuradas receitas financeiras líquidas no montante de R$ 112 milhões, contra
"despesas financeiras líquidas" no valor de R$ 129 milhões no 2T10, resultado este decorrente,
fundamentalmente, da valorização do real frente ao dólar norte-americano de cerca de 6% no
trimestre, contra uma desvalorização de 1% ocorrida no 2T10.
Na análise dos 9M10, as despesas financeiras líquidas, no valor de R$ 136 milhões, apuradas
neste período, contrastam com as receitas apuradas em igual período de 2009, no valor de R$
636 milhões, basicamente em função dos efeitos cambiais decorrentes da valorização do real
frente ao dólar norte-americano, que nos 9M10 foi de 3%, contra 24% nos 9M09.
Participação em Controladas
No 3T10 foi apurado um ganho de R$ 59 milhões, decorrente principalmente da participação da
Ternium no valor de R$ 48 milhões.
3T10
3T09
2T10
9M10
9M09
22,7%
14,6%
24,3%
23,5%
11,2%
Margem EBITDA
R$ milhões
3T10
3T09
2T10
Var.
3T10/3T09
Var.
3T10/2T10
9M10
9M09
Var.
9M10/9M09
Efeitos Cambiais
161.290
316.372
(30.080)
-49%
-
61.555
911.383
-93%
Variação Cambial
176.108
282.725
(6.423)
-38%
-
108.468
900.496
-88%
Receitas (Despesas) de Hedge
(14.818)
33.647
(23.657)
-
-37%
(46.913)
10.887
-
Valor de Mercado das Operações de Swap (Lei 11.638)
9.789
(21.913)
(26.087)
-
-
920
(62.127)
-
Receitas Financeiras
117.990
75.773
81.267
56%
45%
263.567
280.169
-6%
Despesas Financeiras
(165.302)
(115.559)
(142.459)
43%
16%
(429.094)
(379.246)
13%
Efeitos Monetários
(11.674)
(54.234)
(11.502)
-78%
1%
(33.333)
(113.827)
-71%
RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO
112.093
200.439 (128.861)
-44%
-
(136.385)
636.352
-
Resultado Financeiro - Consolidado
background image
Resultados do 3T10 5
Nos 9M10, foi apurada uma receita de R$ 180 milhões, decorrente principalmente de ganhos
da Ternium no valor de R$ 140 milhões, contra uma receita de R$ 87 milhões no 9M09
(ganhos da Ternium de R$ 53 milhões).
Lucro Líquido
O lucro líquido do 3T10 totalizou R$ 495 milhões, um crescimento de cerca de 43% em relação
ao 2T10, decorrente, principalmente, dos ganhos cambiais refletidos nas despesas e receitas
financeiras do período, compensando o menor volume de vendas verificado no trimestre.
Na comparação com os 9M09, o lucro líquido dos 9M10 cresceu 91% e atingiu R$ 1,2 bilhão,
devido ao maior volume de vendas, contrapondo-se à redução dos ganhos cambiais pela menor
valorização do real em 2010 de cerca de 3%, em comparação a valorização de 24% ocorrida
nos nove meses de 2009.
Endividamento
A dívida bruta total em 30/09/10 somava R$ 8,8 bilhões, contra uma dívida de cerca de R$ 7,8
bilhões em 30/06/10. A "dívida líquida" finalizou o trimestre em R$ 4,9 bilhões, contra R$ 4,1
bilhões em 30/06/10. O índice divida líquida/EBITDA em 30/09/10 era de 1,6 x.
No encerramento do trimestre a composição da dívida por moeda estava representada da
seguinte forma: 46% em moeda estrangeira e 54% em moeda nacional.
Saldo de Caixa -
R$ bilhões
3,9
Índice Dívida
Total/EBITDA
2,8
Índice Dívida
Líquida/EBITDA
1,6
Posição ­ 30/09/10
30-jun-10
Curto Prazo
Longo Prazo
TOTAL
TOTAL
Moeda Estrangeira (*)
346.750
3.746.585
4.093.335
46%
4.207.378
-3%
TJLP
178.762
569.895
748.657
-
612.630
22%
Outras nacionais
94.841
2.361.961
2.456.802
-
1.391.640
77%
Debêntures
25.549
1.100.000
1.125.549
-
1.118.948
1%
Tributos parcelados
65.002
84.332
149.334
-
163.774
-9%
FEMCO
7.264
256.776
264.040
-
296.780
-11%
Moeda Nacional
371.418
4.372.964
4.744.382
54%
3.583.772
32%
ENDIVIDAMENTO TOTAL
718.168
8.119.549
8.837.717
100%
7.791.150
13%
CAIXA e APLICAÇÕES
-
-
3.928.306
-
3.667.540
7%
ENDIVIDAMENTO LÍQUIDO
-
-
4.909.411
-
4.123.610
19%
(*) 99% do total de moedas estrangeiras é US dolar
Empréstimos e Financiamentos por Indexador - Consolidado
R$ mil
30-set-10
Var. set10/jun10
%
1
,
7
3
,
3
0
,
8
0
,
1
-
0
,
1
-
0
,
2
-
1
,
0
0
,
7
0
,
6
1
,
6
3
,
2
4
,
3
3
,
8
3
,
1
2
,
9
4
,
1
4
,
9
0,4 0,2 0,0 0,0 0,0 -0,2 0,1 0,1 0,3 0,5 0,9 1,0 1,3
1,9 1,7 1,5
1,6
3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10
Dívida Líquida Consolidada / EBITDA (R$)
DLC (R$ bi)
DLC/EBITDA
background image
Resultados do 3T10 6
Perfil de Vencimentos

Desempenho das Unidades de Negócios

As transações entre as Companhias são apuradas em valores e condições de mercado.
3.425
171
410
453
749
799
741
218
216
414
214
214
146
503
64
378
595
682
463
348
564
181
818
0
0
0
Caixa
2010
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019
2020
a partir
de 2021
Moeda Local
Moeda Estrangeira
788
3.928
235
1.048
1.431
1.262
1.089
782
397
1.232
214
214
Duração da Dívida: R$: 59 meses
US$: 60 meses
146
Mineração
Siderurgia
Transformação do
Aço
Bens de Capital
Mineração Usiminas*
Usina de Ipatinga
Soluções Usiminas
Usiminas Mecânica
Usina de Cubatão
Automotiva Usiminas
Unigal
Participação na Ternium**
* Controlada da Companhia
** Resultados contabilizados via participação em Controladas
Usiminas Consolidado
Participação na Metform
e Codeme**
R$ milhões
3T10 2T10 9M10 9M09
3T10
2T10
9M10
9M09
3T10 2T10 9M10
9M09
3T10 2T10 9M10
9M09
3T10
2T10
9M10
9M09
Receita Líquida de Vendas
291
277
726
299
2.846
3.276
8.943
6.936
620
668
1.842
1.451
389
375
1.056
661
3.241
3.586
9.870
7.940
Custo Produtos Vendidos
(69)
(70) (205) (114)
(2.351) (2.777) (7.407) (6.619)
(559) (575) (1.615) (1.359)
(340) (332) (919)
(535)
(2.438) (2.760) (7.541) (7.122)
Lucro Bruto
222
207
521
185
495
499
1.536
317
61
93
227
92
49
43
137
126
803
826
2.329
818
(Despesas)/Receitas
Operacionais
(25)
(17)
(60)
(51)
(138)
(124)
(396)
(385)
(49)
(48)
(119)
(137)
(37)
(24)
(82)
(51)
(249)
(213)
(657)
(624)
Lucro (Prej) Operacional
antes Financ.
197
190
461
134
357
375
1.140
(68)
12
45
108
(45)
12
19
55
75
554
613
1.672
194
EBITDA
204
198
483
155
514
607
1.711
566
22
56
139
(17)
19
26
76
90
735
871
2.317
892
MARGEM EBITDA
70% 72% 67% 52%
18%
19%
19%
8%
4%
8%
8%
-1%
5%
7%
7%
14%
23%
24%
24%
11%
Demonstração de Resultado por Unidades de Negócios - Pro-forma não auditado
Mineração
Siderurgia
Transformação do aço
Consolidado
Bens de Capital
background image
Resultados do 3T10 7
M I N E R A Ç Ã O

Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio
A Mineração Usiminas obteve uma receita líquida no 3T10 de R$ 291 milhões, 5% superior quando
comparada ao 2T10, reflexo dos melhores preços praticados.
O acréscimo na receita, refletiu diretamente no crescimento da margem bruta, apresentando
assim, um lucro bruto superior em R$ 15 milhões no 3T10 quando comparado com o 2T10.
As despesas operacionais apresentaram uma alta de 47% devido a maior despesa com vendas,
dado o maior volume escoado/carregado na mina e nos terminais, principalmente no TCS no
escoamento para Cubatão, além de maiores despesas gerais e administrativas devido a serviços
de terceiros contratados para a construção da nova planta e instalações para tratamento do
minério.
O EBITDA do 3T10, no valor de R$ 204 milhões, foi 3% superior ao do 2T10, gerando uma
margem de 70%.
Desempenho Operacional
Em setembro de 2010, alcançou-se um novo recorde: foram produzidas mais de 600 mil
toneladas de minério e no acumulado do ano a produção de minério de ferro ultrapassou 5,0
milhões de toneladas.
No 3T10, a produção de minério de ferro cresceu 9% quando comparada à do 2T10 e, em
relação ao 3T09, a produção do 3T10 apresentou um crescimento de 31%.
No processo de Lavra também se alcançou um novo recorde: no mês de julho 2,349 milhões
de toneladas foram movimentadas. A superação consecutiva de marcas já conquistadas pode
ser explicada por programas fundamentados principalmente na motivação dos colaboradores e
na promoção de um ambiente de trabalho seguro.
No 3T10 não foram realizados embarques destinados à exportação.
As vendas totais e as transferências às usinas de Ipatinga e de Cubatão estão demonstradas
pelo quadro abaixo:
Mineração Usiminas ­ MUSA S.A.
A criação da Mineração Usiminas S.A. (MUSA) contempla a transferência de ativos de
propriedade da Usiminas para a MUSA, compreendendo os ativos minerários na região da
Serra Azul, a participação em terminais de embarque de minério na região da Serra Azul,
83,3% da participação do capital da MRS e o terreno localizado em Itaguaí, RJ (Porto).
A MUSA S.A nasce com grande potencial de crescimento na região da Serra Azul, dado seu
porte, disponibilidade de capital e função logística integrada. Através da maior integração da
atividade de mineração e logística, em conjunto com garantia de fornecimento de certa
quantidade de minério à Usiminas, esse movimento é um passo importante na integração da
siderurgia ao minério, pretendida desde a aquisição dos ativos da J. Mendes.
Mil toneladas
3T10
3T09
2T10
Var.
3T10/3T09
Var.
3T10/2T10
9M 2010
9M 2009
Var.
9M10/9M09
Produção
1.879
1.438
1.725
31%
9%
5.113
3.917
31%
Vendas
191
149
85
28%
125%
596
381
56%
Transferências para as Usinas
1.196
1.256
1.438
-5%
-17%
4.006
3.491
15%
Total - Vendas + Transferências
1.387
1.405
1.523
-1%
-9%
4.602
3.872
19%
Minério de Ferro
background image
Resultados do 3T10 8
Investimentos/Perspectivas
Com vistas a contribuir ainda mais para o resultado consolidado do Grupo, a unidade de
mineração trabalha em projetos de otimização das três plantas existentes e na construção de
uma nova planta de beneficiamento de finos. Este investimento proporcionará um aumento
gradativo da produção nos próximos anos, e em 2015 a Usiminas espera atingir a capacidade
de produção anual de 29 milhões de toneladas. Os investimentos para o período entre 2010 e
2015 são estimados em R$ 4,1 bilhões.
Abaixo, os volumes de produção estimados para os próximos anos.
Logística ­ Participação na MRS
A MRS Logística é uma concessionária que controla, opera e monitora a Malha Sudeste da Rede
Ferroviária Federal. A empresa atua no mercado de transporte ferroviário, interligando os
Estados do Rio de Janeiro, de Minas Gerais e de São Paulo, e seu foco de atividades consiste no
transporte de cargas gerais, como minério, produtos siderúrgicos acabados, cimento, bauxita,
produtos agrícolas, coque verde de petróleo e contêineres com logística integrada.
Usiminas, Vale, MBR, Gerdau e CSN integram o Grupo de Acionistas que controla a MRS. A
Usiminas detém 20% do capital votante e participação no grupo de controle da Companhia.
Os resultados dos 9M10 ainda não haviam sido divulgados até a data deste release, sendo que
no 1S10, a MRS transportou 68,7 milhões de toneladas úteis de carga em geral, dentre as quais
minério de ferro, carvão/coque, produtos siderúrgicos, cimento e outros
S I D E R U R G I A

Mercado de Aços Planos
O setor siderúrgico nacional tem sido impactado negativamente pela sobrevalorização do real,
que sofre o efeito de redução da competitividade dos clientes exportadores, assim como o
aumento da competitividade dos produtos importados. Além disso, tem-se o efeito estocagem
iniciado no 1T10, estimulado principalmente pelo prêmio de preço. No 3T10 houve uma inversão
no comportamento do setor, dado que os estoques dos associados do INDA superaram o
consumo por aços planos.
Dados estimados mostram que o mercado brasileiro de aços planos consumiu 3,3 milhões de
toneladas no 3T10, sendo 75% do volume fornecido pelas usinas locais e 25% por materiais
importados.
2
2
2
2
2
2
5
6
6
4
4
4
2
5
19
23
7
8
10
11
25
29
2010
2011
2012
2013
2014
2015
Pellet Feed
Sinter Feed
Granulado
background image
Resultados do 3T10 9
No 3T10 o consumo apresentou uma retração de 14% em relação ao trimestre anterior, devido a
antecipação de compras e conseqüente formação de estoques. Nesse cenário as importações
cresceram em detrimento das vendas das usinas nacionais. A entrada de importações diretas e
indiretas de aço continua impactando o desempenho das vendas das usinas nacionais em um
cenário de forte competição via preços, e as linhas de produtos importados que apresentaram
crescimento expressivo foram CG (+52%), EG (+227%) e HDG (+38%).
Segmentos e Participação de Mercado
Nos dados estimados de consumo verifica-se queda em todos os segmentos, com exceção da
Indústria, com destaque para o crescimento dos setores Naval, em função do deslocamento dos
projetos do primeiro semestre para o segundo, Máquinas Agrícolas pela sazonalidade do setor e
Máquinas Rodoviárias, pelo reaquecimento estimulado pelos incentivos fiscais previstos até
dezembro.
O mesmo ocorreu com as vendas das usinas nacionais, em que os segmentos apresentaram
redução neste período. O segmento Automotivo e Linha Branca, em função do fim dos incentivos
de redução do IPI, e a Grande Rede devido a antecipação de compras e conseqüente formação
de estoques no 3T10.
Em todos os segmentos a Usiminas tem atuado fortemente através de um maior fornecimento
de produtos e serviços e da regularização no atendimento de pedidos.

Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio
A Siderurgia obteve uma receita líquida no 3T10 de R$ 2,8 bilhões, 13% inferior quando
comparada com a do 2T10, destacando-se:
decréscimo no volume vendido em 271 mil toneladas;
o preço médio por tonelada de laminado foi superior em cerca de 3% quando comparado
com o do 2T10, passando de R$ 1.772 para R$ 1.822;
aumento da participação das vendas no mercado interno, que passou de 79% no 2T10
para 80% no 3T10.
O CPV do 3T10 foi inferior em 15% em relação ao 2T10 devido ao menor volume vendido no
trimestre e a redução das despesas com pessoal. A relação CPV/receita líquida passou de 85%
no 2T10 para 83% no 3T10.
O aumento das despesas e receitas operacionais foi decorrente dos maiores gastos com
distribuição, despesas gerais e administrativas.
O EBITDA do 3T10 atingiu R$ 514 milhões, 15% menor ao do 2T10 devido, principalmente, à
redução das receitas da Companhia. A margem permaneceu estável e alcançou 18%.
Desempenho Operacional
As vendas físicas totais da Usiminas no 3T10 decresceram 15% em relação às do 2T10,
alcançando o volume de 1,5 milhão de toneladas. Ao mercado interno (MI) foi destinado 1,2
milhão de toneladas de produtos, 14% menores quando comparado às vendas ao MI no 2T10.
Já as exportações no 3T10 decresceram 18% em relação às do 2T10 e representaram 20% das
vendas do trimestre.
Destaca-se a recuperação em mercados tradicionais, como Argentina (+80%) e verifica-se o
crescimento nos grandes destinos de exportações da empresa, como a China (+82%).
No acumulado dos 9M10, as vendas físicas totalizaram 5,0 milhões de toneladas, 27% acima das
vendas dos 9M09. O mix de destino situou-se em 77% ao MI. Ao mercado externo foram
background image
Resultados do 3T10 10
2T06 3T06 4T06 1T07 2T07 3T07 4T07 1T08 2T08 3T08 4T08 1T09 2T09 3T09 4T09 1T10 2T10 3T10
Vendas Consolidadas (mil t)
Mercado Externo
Mercado Interno
69% 68% 67%
72%
76% 77% 81%
81%
87%
84%
78% 75%
78%
67% 71%
31%
32%
33%
28%
24% 23%
19% 19% 13% 16%
22%
25%
22%
33% 29%
2.028 1.971 1.992 1.936 1.980
1.980
2.094
1.886 1.917 1.915
1.458
1.044 1.187
1.694 1.703
73%
27%
1.615
79%
21%
1.821
69% 68% 67% 72% 76% 77% 81% 81% 87% 84% 78% 75% 78% 67% 71% 73% 79% 80%
20%
1.550
Chapas Grossas
1.746
1.631
1.575
1.712
1.570
1.860
2.475
2.993
2.486
2.112
Laminados a Quente
1.720
1.683
1.569
1.472
1.477
1.707
1.991
2.202
1.951
1.622
Laminados a Frio
1.985
1.919
1.740
1.671
1.539
1.862
2.058
2.391
2.151
1.836
Eletrogalvanizados
2.607
2.484
2.387
2.208
2.093
2.286
2.558
2.552
2.399
2.237
Galvanizados Imersão a quente
2.606
2.564
2.483
2.440
2.253
2.344
2.572
2.817
2.525
2.328
Produtos Processados
2.652
2.378
2.393
2.413
2.250
1.647
2.314
2.557
2.224
1.958
Placas
710
797
727
790
649
700
938
1.551
1.444
902
Total Geral
1.822
1.772
1.660
1.623
1.493
1.781
2.124
2.416
2.138
1.910
3T08
1T09
2T08
1T10
Receita Líquida por Tonelada
2T10
2T09
4T08
3T09
4T09
RS / ton.
3T10
destinados 23% das vendas, superando 1 milhão de toneladas, 4% superior aos 9M09,
destacando-se China e América Latina como os principais mercados.
País
Mil
Toneladas
Participação
%
China
109
35%
Cingapura
16
5%
Colômbia
18
6%
Vietnã
10
3%
Chile
32
10%
EUA
24
8%
Argentina
45
14%
Espanha
14
4%
Outros
47
15%
Total
315
100%
Exportação - Principais Mercados ­ 3T10
País
Mil
Toneladas
Participação
%
China
221
19%
Chile
80
7%
Colômbia
50
4%
Argentina
94
8%
Tailândia
10
1%
EUA
92
8%
Taiwan
49
4%
Espanha
60
5%
Peru
28
2%
Outros
456
41%
Total
1.141
100%
Exportação - Principais Mercados ­ 9M10
Mil toneladas
Mercado Interno
1.235 100%
1.134 100%
1.437 100%
3.845
100%
2.834 100%
Automotivo
456
37%
378
33%
451
32%
1.313
34%
1.011
36%
Industrial
359
29%
231
20%
305
21%
894
23%
589
21%
Distribuição /
Construção Civil
420
34%
525
66%
681
47%
1.638
43%
1.234
44%
-14%
1%
18%
-20%
-38%
9%
55%
Var.
3T10/2T10
21%
3T09
2T10
3T10
Var.
3T10/3T09
Distribuição de Vendas por Segmento - Consolidado
9M09
Var.
9M10/9M09
36%
33%
30%
52%
9M10
background image
Resultados do 3T10 11

Produção Brasileira e Mundial
A produção brasileira de aço bruto acumulada até setembro/10 totalizou 24,8 milhões de
toneladas de aço bruto e 19,7 milhões de toneladas de laminados, o que significou aumento de
34,4% e 40,3%, respectivamente, sobre o mesmo período de 2009.
Segundo dados preliminares da World Steel Association, a produção mundial de aço bruto no
3T10 caiu 6% em relação ao 2T10, alcançando 339 milhões de toneladas. Nos 9M10 a
produção foi de 1,05 bilhão de toneladas de aço bruto, um crescimento de 6% em relação aos
9M09, com a China destacando-se entre os principais produtores, 45% da produção mundial.
Produção - Usinas de Ipatinga e Cubatão
No 3T10 a produção de aço bruto nas usinas de Ipatinga e de Cubatão foi de 2,0 milhões de
toneladas, permanecendo estável em relação ao 2T10. A produção de laminados foi de 1,8
milhão de toneladas, 7% abaixo da produção verificada no 2T10.
A produção de aço bruto acumulado nos 9M10 foi de 5,7 milhões de toneladas, 51% acima da
produção dos 9M09. Em termos de produtos laminados, o volume produzido foi de 5,4 milhões
de toneladas, 41% acima dos 9M09.

Plano de Investimentos (Capex)
Os investimentos no imobilizado no 3T10 somaram R$ 697 milhões, acumulando um
desembolso total de R$ 2,2 bilhões nos 9M10. A situação atual dos principais projetos de
investimento está detalhada abaixo:

Mil toneladas
Var.
3T10/3T09
Var.
3T10/2T10
VENDAS FÍSICAS TOTAIS
1.550
100%
1.694
100%
1.821 100%
-8%
-15%
4.986
100%
3.929
100%
Chapas Grossas
357
23%
277
16%
381
21%
29%
-6%
1.061
21%
768
20%
Laminados a Quente
483
31%
488
29%
577
32%
-1%
-16%
1.571
32%
1.155
29%
Laminados a Frio
365
24%
465
27%
495
27%
-22%
-26%
1.342
27%
1.050
27%
Eletrogalvanizados
59
4%
63
4%
63
3%
-7%
-6%
174
3%
138
4%
Galvaniz. Imersão a Quente
118
8%
125
7%
127
7%
-6%
-8%
344
7%
317
8%
Produtos Processados
36
1%
41
2%
40
2%
-13%
-10%
107
2%
104
2%
Placas
134
9%
235
15%
138
8%
-43%
-3%
386
8%
397
10%
MERC. INTERNO
1.235
80%
1.134
67%
1.437
79%
9%
-14%
3.845
77%
2.834
72%
Chapas Grossas
276
14%
166
10%
244
13%
66%
13%
686
14%
436
11%
Laminados a Quente
427
29%
427
25%
527
29%
0%
-19%
1.381
27%
1.034
26%
Laminados a Frio
319
22%
329
19%
436
24%
-3%
-27%
1.151
23%
809
21%
Eletrogalvanizados
54
4%
46
3%
58
4%
18%
-7%
160
3%
113
3%
Galvaniz. Imersão a Quente
106
7%
103
6%
116
6%
3%
-8%
308
6%
268
7%
Produtos Processados
28
2%
31
2%
27
1%
-10%
4%
78
2%
80
2%
Placas
25
2%
32
2%
29
2%
-22%
-14%
81
2%
94
2%
MERC. EXTERNO
315
20%
560
33%
384
21%
-44%
-18%
1.141
23%
1.095
28%
Chapas Grossas
81
5%
111
7%
137
7%
-27%
-41%
375
7%
332
8%
Laminados a Quente
55
4%
61
4%
50
3%
-9%
10%
190
4%
121
3%
Laminados a Frio
46
3%
136
8%
58
3%
-66%
-21%
191
4%
241
6%
Eletrogalvanizados
4
0%
17
1%
5
0%
-74%
-4%
14
0%
25
1%
Galvaniz. Imersão a Quente
11
1%
22
1%
12
1%
-48%
-3%
36
1%
49
1%
Produtos Processados
8
1%
10
1%
13
1%
-21%
-39%
30
1%
24
1%
Placas
109
6%
203
11%
109
6%
-46%
0%
305
6%
303
8%
3T10
Var.
9M10/9M09
27%
38%
36%
28%
3T09
9M09
9M10
2T10
27%
9%
3%
-3%
36%
58%
34%
42%
42%
15%
-3%
-14%
4%
13%
57%
-21%
-42%
-25%
25%
1%
Distribuição de Vendas por Produto - Consolidado
background image
Resultados do 3T10 12

Participação na Ternium
A Ternium é uma das maiores produtoras de aço das Américas, ofertando larga gama de
produtos, entre aços planos e longos. A Empresa conta com unidades operacionais no México
(Hylsa e IMSA), na Argentina (Siderar) e nos Estados Unidos (Ternium USA) e possui uma
vasta rede de distribuição.
A Usiminas participa com 14,25% do capital total da Ternium, da qual é sócia com o grupo
Techint.
Os resultados da Ternium são contabilizados na Usiminas com um trimestre de defasagem e os
resultados relativos ao 3T10 não haviam ainda sido disponibilizados até a divulgação dos
resultados da Usiminas.
Unigal
A Unigal é uma joint venture da Usiminas (70% de participação) e da Nippon Steel (30% de
participação) destinada a processar bobinas galvanizadas por imersão a quente.
Seu principal investimento tem por objetivo aumentar em 550 mil toneladas a capacidade de
produção atual de 480 mil toneladas por ano, para atender à necessidade de acréscimo da
oferta de serviços de galvanização, suportando o crescimento da demanda por tais produtos,
principalmente oriundos da indústria automotiva, de eletroeletrônicos e da construção civil. A
previsão de entrada em operação no 1º trimestre de 2011 se mantém.
T
R A N S F O R M A Ç Ã O D O A Ç O
Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio
Na unidade Transformação do Aço a receita líquida foi 7% inferior quando comparada à do
2T10. Contribuíram para esta redução a queda no volume em 6% e nos preços médios
praticados da vendas da Soluções Usiminas. Já a Automotiva Usiminas contribuiu
positivamente no acréscimo de receita em R$ 7 milhões, ou 9% superior ao 2T10.
A relação CPV/receita líquida passou de 86% para 90%. As despesas e receitas operacionais
mantiveram-se estáveis. O lucro bruto, impactado pelo menor volume vendido, apresentou
uma redução de R$ 32 milhões.
O EBITDA do 3T10 atingiu R$ 22 milhões e a margem EBITDA de 4%. O impacto na geração
decorreu, principalmente, aos menores preços praticados, fortemente pressionados pelas
importações, e também pela queda do volume vendido pela Soluções Usiminas.
Investimentos
Status
Em operação: Fase de homologação
Start-up: 4T/2012
R$ 914 milhões
Tecnologia de Resfriamento
Acelerado (CLC) para
atendimento a requisitos
dos projetos de exploração
do pré sal.
Objetivo
Capex do Projeto
Capex acumulado
do projeto até
Setembro/2010
Laminador, Forno de Reaquecimento e Laminador de
Encruamento: equipamentos contratados e em fase de projeto
detalhado e de fabricação.
Obras civis e Montagem: em andamento.
Fabricação das estruturas do edifício pela Usiminas Mecânica.
Start-up: 2S/2011
R$ 2,530 bilhões
R$ 1,135 bilhão
Nova Linha de
Galvanização
(Ipatinga)
Produção de 550.000
ton/ano de galvanizados a
quente.
Obras civis e montagem do edifício em andamento.
Fabricação das estruturas do edifício em andamento pela
Usiminas Mecânica.
Início da Montagem da Linha: Abril 2010.
Start-up: 1S/2011.
Chapas Grossas
(Ipatinga)
Expansão do laminador -
aumento da produção para
1.350.000 t/ano.
R$ 1,050 bilhão
R$ 441 milhões
R$ 661 milhões
Nova Linha de
Tiras a Quente -
nº2 (Cubatão)
Produção de 2,3 milhões de
ton/ano (fase 1).
background image
Resultados do 3T10 13
Cabe ressaltar, que a partir deste trimestre, foi alterado o critério de Segmentação de
Negócios, quando foram transferidos os valores relativos a Galvanização (Unigal) da Unidade
de Negócios Transformação do Aço para a Siderurgia.
Soluções Usiminas
A Soluções Usiminas atua nos mercados de distribuição, serviços e tubos do País, oferecendo a
seus clientes produtos de alto valor agregado. Com capacidade de processar mais de 2 milhões
de toneladas de aço por ano, suas 14 unidades industriais, estrategicamente distribuídas nos
Estados de Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Pernambuco, atendem
os segmentos automobilístico, de autopeças, de construção civil, de distribuição,
eletroeletrônico, de máquinas e equipamentos, utilidades domésticas e outros.
No 3T10, as vendas da unidade de negócio Distribuição, Serviços e Tubos foram responsáveis
por 49%, 40%, 11% respectivamente do volume vendido, destacando-se as vendas para os
setores: automotivo, autopeças, máquinas e equipamentos industriais, construção civil e
utilidades domésticas. As exportações tiveram como principais destinos: Argentina, Bolívia,
Paraguai, Peru e Uruguai.

No primeiro semestre de 2010, a Soluções Usiminas figurava no Ranking do INDA ­ Instituto
Nacional dos Distribuidores de Aço com uma participação de 18% do total dos associados.
Considerando-se apenas os centros de serviços ligados às usinas siderúrgicas brasileiras, essa
participação passa a ser de 42%.
Automotiva Usiminas
Destaques
As vendas líquidas foram superiores em 53% ao mesmo período do ano anterior e o lucro
líquido foi superior em 316%. O EBITDA foi 142% superior ao 3T09. Os resultados acumulados
nos 9M10 também apresentaram-se superiores quando comparados aos dos 9M09.
Perspectivas
Além de acompanhar o crescimento das operações dos atuais clientes, pretende conquistar
novos serviços, agregando valor ao aço fornecido pelas usinas, transformando as chapas em
produtos como cabinas e componentes de caminhões, ônibus e comerciais leves e pequenas
peças para veículos leves, produzidos por sua unidade de Pouso Alegre ­ MG. Para o 4º
trimestre está prevista a inauguração da linha de pintura e da linha de montagem de um novo
produto no segmento automotivo.
B E N S DE C A P I T A L
Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio
A unidade Bens de Capital obteve no 3T10 uma receita líquida de R$ 389 milhões, cerca de 4%
superior quando comparado com o 2T10, principalmente em virtude do fornecimento de
estruturas para a britagem da Mineração Usiminas e fornecimento do equipamento, estrutura e
montagem do prédio de dessulfuração a vácuo (RH3) da Usiminas.
A relação CPV/receita líquida recuou de 89% para 87% no 3T10, devido basicamente a
recuperação dos resultados apurados nos projetos que apresentaram efeito negativo no 2T10,
tais como o Resfriamento Acelerado CLC, no montante de R$ 11 milhões.
Assim, o lucro bruto foi superior em R$ 6 milhões quando comparado ao 2T10. As despesas e
receitas operacionais cresceram 54% devido a pagamento de processos fiscais, trabalhistas e
outras despesas, no montante total de R$ 19 milhões.
background image
Resultados do 3T10 14
O EBITDA do 3T10 totalizou R$ 19 milhões, e a margem ficou em 5%, 2 pontos percentuais
abaixo do 2T10.
Usiminas Mecânica S.A.
Braço do Grupo no setor de bens de capital, a Usiminas Mecânica figura entre as maiores
empresas de bens de capital do Brasil.
A empresa atua por áreas de negócios, a saber:
Estruturas e Pontes Metálicas
Equipamentos Industriais
Montagens Industriais
Blanks e Estampagem
Fundição, Forjaria e Vagões Ferroviários
Unidade Epcista em Siderurgia
Unidade Epcista em Óleo & Gás
Dentre os vários mercados em que a empresa atua, o foco atualmente está voltado para os
seguintes segmentos:
Naval, Óleo & Gás: avança na implementação de sua estratégia em atender o mercado
Offshore com o fornecimento de blocos navais de pequeno porte para embarcações
Platform Supply Boat e Rebocadores, desenvolvendo know-how para projetos ainda
maiores;
Siderurgia e Mineração: busca soluções integradas e projetos turn key com a Unidade
Epcista em Siderurgia. Já possui em carteira o Sistema de Desgaseificação a Vácuo da
usina de Ipatinga;
Infraestrutura: reconhecida neste segmento, atuará nos eventos esportivos da Copa do
Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016, através de obras em estádios, passarelas,
viadutos, edifícios-garagem, aeroportos e shopping centers;
Energia Elétrica: capacitada a fornecer equipamentos para Usinas Hidroelétricas e PCHs,
Tem em sua carteira projetos para o Complexo do Rio Madeira (UHE Santo Antônio e UHE
Jirau) e buscará novos empreendimentos, como a UHE Belo Monte;
Papel e Celulose: detém tecnologia de fabricação de equipamentos pesados, para
atender, por exemplo, a demanda do Projeto Eldorado, que entrará em operação no final
de 2012, em Mato Grosso do Sul, e será a maior fábrica do mundo de produção de papel
e celulose.
Os principais contratos em execução na empresa estão dentro dos prazos estabelecidos com
os clientes, a saber :
Fabricação das Torres, Vasos e Tancagem da Refinaria do Nordeste (RNEST) em
Pernambuco.
Fabricação de 2 Convertedores e 16 Panelas de Aço para a Usina da Gerdau/Açominas
em Ouro Branco.
Fabricação das estruturas metálicas para o prédio da Aciaria e da Laminação da
Vallourec & Sumitomo em Jeceaba/MG.;
Fabricação das estruturas metálicas da Usina de Pelotização VIII da VALE em
Vitória/ES.
background image
Resultados do 3T10 15
Montagem eletromecânica dos projetos para a Usiminas: Unigal em Ipatinga ­ Novo
LTQ em Cubatão.
Investimentos
Fundição e forjaria: em processo de expansão e modernização, com previsão de
conclusão até o 4T11. Capacidade instalada: chegará a 41mil ton/ano.
Linhas de moldagem manual e mecanizada já contratadas. Início das obras em
setembro/2010.
Aquisição de máquina de solda especifica para soldagem de painéis, para fabricação de
blocos navais de grande porte.
Aquisição de Torno Vertical para usinagem de peças- pesando até 100 toneladas- para
atender a demanda da área de fundição e para o setor de energia elétrica( UHE's ).

Mercado de Capitais

Desempenho na BM&FBOVESPA
A ação ordinária (USIM3) da Usiminas encerrou o trimestre cotada a R$25,77 e a ação
preferencial (USIM5), cotada a R$22,70. A valorização no trimestre da USIM3 foi de 8,7% e a
desvalorização da ação USIM5 foi de 5,6%. No mesmo período, o Ibovespa registrou uma
valorização de 13,9%. Em 30/09/10, o valor de mercado da Usiminas era de R$ 23,0 bilhões.
As variações acumuladas até setembro de 2010 dos papéis da Usiminas e do Ibovespa podem
ser verificadas no gráfico abaixo.






USIM5 e USIM3 versus Ibovespa
De (base 100) 30/12/2009 a 30/09/2010
80,00
90,00
100,00
110,00
120,00
130,00
dez/09
jan/10
fev/10
mar/10
abr/10
mai/10
jun/10
jul/10
ago/10
set/10
IBOVESPA
USIM5
USIM3
101,23
102,89
91,92
background image
Resultados do 3T10 16
Bolsas Estrangeiras
NASDAQ ­ Nova York
As ações ordinárias e preferenciais da Usiminas são negociadas nos Estados Unidos, como ADR
Nível 1 no mercado de balcão (over-the-counter ­ OTC). Em 30/09/10 a ação USNZY
(preferencial ­ PNA), de maior liquidez, estava cotada a US$ 13,40 e apresentou uma
desvalorização no trimestre de 2,51%.
Latibex ­ Madri
Em 30/09/10, a ação XUSI (preferencial) encerrou o trimestre cotada a 9,81 e apresentou
desvalorização de 12,1%. A ação XUSIO (ordinária) encerrou cotada a 11,11, com
desvalorização de 0,45%.
Fatos Relevantes do Trimestre
Usiminas assina os contratos com a Sumitomo e conclui as negociações para
parceria na Mineração Usiminas
A Usiminas concluiu as negociações e assinou os contratos definitivos para o estabelecimento
de uma joint venture com a Sumitomo Corporation ("Sumitomo") para o desenvolvimento das
atividades da Mineração Usiminas. Em 27/09/10 foi publicado Fato Relevante acerca da
conclusão do negócio.
Nova coqueria inicia operação na usina de Ipatinga (MG)
Com foco em agregação de valor e redução de custos, entrou em operação no mês de
setembro a Coqueria nº 3 na Usina de Ipatinga. Com aportes de R$ 707 milhões, tem
capacidade para produzir 750 mil toneladas de coque por ano e é o primeiro passo para a
autossuficiência em coque, que deve ser alcançada em 2013. A montagem eletromecânica da
obra foi feita pela Usiminas Mecânica ­ empresa de bens de capital do grupo Usiminas ­ com
12.900 toneladas de estruturas metálicas e equipamentos.
Usiminas conquista Troféu Transparência
A Usiminas destacou-se como uma das vencedoras do Troféu Transparência, premiação que é
concedida anualmente pela Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e
Contabilidade (ANEFAC), às empresas que apresentam maior transparência em suas
demonstrações contábeis. A Companhia alcançou sua sétima conquista, um reconhecimento
pelas melhores demonstrações contábeis publicadas no Brasil.
3T10
3T09
Var.
3T10/3T09
2T10
Var.
3T10/2T10
Número de Negócios
419.776
374.278
12%
394.257
6%
Média Diária
6.559
5.848
12%
6.359
3%
Quantidade Negociada - mil ações
401.396
393.878
2%
377.060
6%
Média Diária
6.272
6.154
2%
6.082
3%
Volume Financeiro - R$ milhões
9.625
8.605
12%
9.660
0%
Média Diária
150
134
12%
156
-3%
Cotação Máxima
24,67
25,07
-2%
32,23
-23%
Cotação Mínima
21,77
17,68
23%
20,76
5%
Cotação Unitária Final
22,70
23,36
-3%
24,06
-6%
Quantidade Ações
1.013.786
506.893
100%
506.893
100%
Valor de Mercado - R$ milhões
23.013
23.677
-3%
24.387
-6%
Resumo do Desempenho da Usiminas na BM&FBOVESPA (USIM5)
background image
Resultados do 3T10 17
AGE aprova desdobramento das ações
A Assembléia Geral Extraordinária - AGE realizada em 27/09/2010, aprovou o desdobramento
de ações de emissão da Companhia na proporção de 1 (uma) nova ação para cada ação
existente. Assim, cada ação do capital social passará a ser representada por 2 (duas) ações.
As ações advindas do desdobramento serão da mesma espécie e classe, conferindo aos seus
titulares os mesmos direitos das ações previamente existentes. Os acionistas que adquiriram
ou mantiveram posição acionária até 27/09/10 tiveram o direito ao recebimento das ações
decorrentes do desdobramento. A partir de 28/09/2010, as ações de emissão da Companhia
passaram a ser negociadas sem direito às ações advindas do desdobramento. Com o
desdobramento aprovado, o capital social da Companhia está atualmente dividido em
1.013.786.190 ações, sendo 505.260.684 ordinárias, 508.438.732 ações preferenciais classe A
e 86.774 ações preferenciais classe B, permanecendo inalterado o valor do capital social.

Conselho de Administração aprova pagamento de JSCP

O Conselho de Administração da Companhia, em reunião realizada em 28/09/10, aprovou a
proposta da Diretoria de distribuição aos acionistas, detentores de ações em 07 de outubro de
2010, por conta do lucro líquido da Companhia no 1S10, a importância de R$ 230,2 milhões,
sob a forma de juros sobre capital próprio, intermediários, cabendo a cada ação ordinária R$
0,222260 e a cada ação preferencial R$ 0,244485. Sobre os valores de juros sobre o capital
próprio será deduzido o Imposto de Renda na Fonte de 15%, respeitadas as exceções legais. A
partir de 08 de outubro de 2010, as ações passaram a ser negociadas "ex-juros". O
pagamento desses juros foi feito a partir do dia 20 de outubro de 2010.










background image
Resultados do 3T10 18
Para mais informações
Financial Investor Relations Brasil Banco Custodiante das Ações
ADR ­ Banco Depositário
Lígia Montagnani ­ Consultora
Departamento de Acionistas
Tel.: (55 11) 3897-6405
Fone: 00X11 ­ 3684-9495
ligia.montagnani@firb.com
Visite o site de Relações com Investidores: www.usiminas.com/ri
ou acesse pelo seu celular: m.usiminas.com/ri
Bruno Seno Fusaro
bruno.fusaro@usiminas.com
31-3499-8772
Gilson Rodrigues Bentes
gilson.bentes@usiminas.com
31-3499-8617
Matheus Perdigão Rosa
matheus.rosa@usiminas.com
31-3499-8056
Diogo Dias Gonçalves
diogo.goncalves@usiminas.com
31-3499-8710
Luciana Valadares dos Santos
luciana.santos@usiminas.com
31-3499-8619
SUPERINTENDÊNCIA DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES
Horário em Brasília: às 11:00h
Telefone para conexão:
Brasil: (11) 4688.6361
Senha de acesso ao replay: 47694 português
Demais países: (1 786) 924.6977
3T10 Teleconferência de Resultados - Data 28/10/2010
Horário em Nova York: às 10:00h
Telefone para conexão:
Veja apresentação de slides no website: www.usiminas.com/ri
EUA: (1 888) 700.0802
Senha de acesso ao replay: 47697 inglês
Em Português - Tradução Simultânea para Inglês
O áudio da teleconferência será transmitido ao vivo pela internet
Audio replay disponível pelo telefone (11) 4688.6312
Declarações contidas neste comunicado relativas às perspectivas dos negócios, projeções de resultados operacionais e financeiros e
referências ao potencial de crescimento da Companhia constituem meras previsões, baseadas nas expectativas da Administração em
relação ao seu desempenho futuro. Essas expectativas são altamente dependentes do comportamento do mercado, da situação
econômica do Brasil, da indústria e dos mercados internacionais, portanto sujeitas a mudanças.
background image
Resultados do 3T10 19
30/set/10
30/jun/10
3.474.447
3.182.114
Empréstimos e Financiamentos e Tributos Parcelados
710.904
667.404
Fornecedores, Empreiteiros e Fretes
1.119.065
1.116.304
Salários e encargos sociais
314.890
284.315
Tributos e impostos a recolher
255.073
219.799
Valores a Pagar a Sociedades Ligadas
80.970
75.961
Instrumentos Financeiros
61.318
56.810
Dividendos a Pagar
232.040
2.617
Adiantamento de clientes
359.227
320.410
Outros
340.960
438.494
9.833.666
8.766.904
Empréstimos e Financiamentos e Tributos Parcelados
7.862.773
6.826.966
Passivo Atuarial
1.036.456
1.064.781
Contingências
369.145
368.820
Instrumentos Financeiros
367.120
305.402
Provisão para Recuperação Ambiental
96.453
95.373
Outros
101.719
105.562
373.341
376.938
16.642.110
16.484.474
Capital Social
12.150.000
12.150.000
Reservas e Lucro Acumulados
4.492.110
4.334.474
30.323.564
28.810.430
Balanço Patrimonial - Passivo - Consolidado
IFRS - R$ mil
Patrimônio Líquido
Total do Passivo
Participação dos minoritários
Passivo
Circulante
Exigível a Longo Prazo
Ativo
30/set/10
30/jun/10
Circulante
11.647.129
10.705.409
Disponibilidades
3.928.306
3.667.540
Contas a Receber
1.930.523
2.297.743
Impostos a Recuperar
523.451
451.189
Estoques
5.010.460
3.998.908
Adiantamento de fornecedores
61.230
70.466
Instrumentos financeiros
23.384
27.058
Outros Títulos e Valores a Receber
169.775
192.505
Realizável a Longo Prazo
1.269.785
1.151.353
Impostos Diferidos
354.266
290.752
Depósitos Judiciais
338.435
331.669
Valores a Receber de Empresas Ligadas
6.292
6.864
Impostos a Recuperar
231.193
253.093
Instrumentos Financeiros
278.637
216.144
Outros
60.962
52.831
Permanente
17.406.650
16.953.668
Investimentos
2.028.507
2.075.554
Imobilizado
13.619.937
13.124.034
Intangível
1.758.206
1.754.080
Total do Ativo
30.323.564
28.810.430
Balanço Patrimonial - Ativo - Consolidado
IFRS - R$ mil
background image
Resultados do 3T10 20
R$ mil
3T10
3T09
2T10
Var.
3T10/3T09
Receita Líquida de Vendas
3.240.501
2.857.658
3.586.635
13%
Mercado Interno
2.874.177
2.342.754
3.149.628
23%
Mercado Externo
366.324
514.904
437.007
-29%
Custo dos Produtos Vendidos
(2.437.079)
(2.533.991)
(2.760.288)
-4%
Lucro Bruto
803.422
323.667
826.347
148%
Margem Bruta
24,8%
11,3%
23,0%
+ 13,5 p.p.
(Despesas) Receitas Operacionais
(249.331)
(149.519)
(213.444)
67%
Vendas
(111.059)
(70.971)
(96.581)
56%
Gerais e Administrativas
(132.610)
(110.704)
(122.472)
20%
Outras (Despesas) Receitas
(5.662)
32.156
5.609
-
Lucro Operacional antes das Desp.Fin.
554.091
174.148
612.903
-
Margem Operacional
17,1%
6,1%
17,1%
+ 11,0 p.p.
(Despesas) Receitas Financeiras
112.093
200.439 (128.861)
-
Receitas Financeiras
76.282
10.686
86.706
-
Despesas Financeiras
35.811
189.753 (215.567)
-
Participação em Controladas
58.903
169.504
67.551
-65%
Lucro (Prejuízo) Operacional
725.087
544.091
551.593
33%
Imposto de Renda / Contribuição Social
(229.959)
(111.394)
(204.809)
106%
Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício
495.128
432.697
346.784
14%
Margem Líquida
15,3%
15,1%
9,7%
+ 0,1 p.p.
Atribuível:
Aos acionistas da companhia
495.335
431.036
338.752
15%
Participação dos não controladores
(207)
1.661
8.032
-112%
EBITDA
735.307
416.841
871.783
76%
Margem EBITDA
22,7%
14,6%
24,3%
+ 8,1 p.p.
Depreciação e amortização
204.530
226.006
200.466
-10%
Provisões
(23.315)
16.687
58.415
-
Demonstração do Resultado Trimestral - Consolidado
IFRS
R$ mil
9M10
9M09
Var.
9M10/9M09
Receita Líquida de Vendas
9.869.935
7.939.721
24%
Mercado Interno
8.532.253
6.605.812
29%
Mercado Externo
1.337.682
1.333.909
0%
Custo dos Produtos Vendidos
(7.540.286)
(7.121.636)
6%
Lucro Bruto
2.329.649
818.085
185%
Margem bruta
23,6%
10,3%
+ 13,3 p.p.
(Despesas) Receitas Operacionais
(657.039)
(623.999)
5%
Vendas
(283.095)
(205.520)
38%
Gerais e Administrativas
(378.542)
(332.775)
14%
Outras (Despesas) Receitas
4.598 (85.704)
-
Lucro Operacional antes das Desp.Fin.
1.672.610
194.086
762%
Margem Operacional
16,9%
2,4%
+ 14,5 p.p.
(Despesas) Receitas Financeiras
(136.385)
636.352
-
Receitas Financeiras
237.140
60.845
290%
Despesas Financeiras
(373.525)
575.507
-
Participação em Controladas
180.042
82.644
-
Lucro (Prejuízo) Operacional
1.716.267
913.082
88%
Imposto de Renda / Contribuição Social
(545.569)
(299.408)
82%
Lucro (Prejuízo) Líquido
1.170.698
613.674
91%
Margem Líquida
11,9%
7,7%
+ 4,2 p.p.
Atribuível:
Aos acionistas da companhia
1.152.993
613.484
88%
Participação dos não controladores
17.705
190
9218%
EBITDA
2.317.767
892.361
160%
Margem EBITDA
23,5%
11,2%
+ 12,3 p.p.
Depreciação e amortização
604.977
637.445
-5%
Provisões
40.180
60.830
-34%
Demonstração do Resultado - Consolidado - Acumulado
IFRS
background image
Resultados do 3T10 21

R$ mil
3T10
3T09
Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais
Lucro Líquido do Exercício
495.128
432.697
Encargos e Var. Monetárias/Cambiais líquidas
(176.046)
(377.180)
Despesas de Juros
133.833
84.550
Depreciação e Amortização
204.530
226.006
Baixa de Imobilizado e Diferido
576
1.499
Participações em Controladas e Coligadas
(58.903)
(169.505)
Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos
(64.886)
46.811
Constituição (reversão) de Provisões
(11.481)
21.732
Total
522.751
266.610
(Acréscimo)/Decréscimo de Ativos
Títulos e Valores Imobiliários
26.507
79.424
Em Contas a Receber
367.220
(288.208)
Nos Estoques
(1.011.552)
573.330
Impostos a Recuperar
(50.361)
136.480
Depósitos Judiciais
1.293
362
Contas a Receber de Empresas Ligadas
572
1.923
Outros
(32.782)
54.114
Total
(699.103)
557.425
Acréscimo/(Decréscimo) de Passivos
Fornecedores, Empreiteiros e Fretes
2.761
228.961
Valores a Pagar a Sociedades Ligadas
(1.331)
6.963
Adiantamentos de Clientes
38.817
14.870
Tributos a Recolher
(85.934)
48.099
Imposto de Renda e Contribuição Social
122.195
7.339
Juros Pagos
(92.880)
(116.183)
Pagamento de Passivo Atuarial
(36.636)
(37.446)
Outros
(64.049)
44.688
Total
(117.057)
197.291
Caixa Líquido Proveniente das Atividades Operacionais
(293.409) 1.021.326
Fluxos de caixa das Atividades de Investimentos
(Adições) Baixa de investimentos
127
9.518
(Adições) baixa do Imobilizado
(685.361)
(686.715)
(Adições) baixa do Intangível
(11.943)
11.185
Juros Capitalizados
0
77.165
Aquisição da Controlada Zamprogna menos Caixa Líq.
0
(22.627)
Dividendos Recebidos
444
37.428
Caixa Líquido Aplicado nas Atividades de Investimentos
(696.733) (574.046)
Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamentos
Ingressos de Emprést., Financiam. e Debêntures
1.457.657
68.285
Pagamentos de Emprést., Financ. e Debênt.
(163.641)
(162.815)
Pagamaneto de tributos parcelados
(15.931)
(3.651)
Resgate de Operações de Swap
(588)
6.577
Dividendos e Juros sobre Capital Próprio
(82)
(87.459)
Caixa Líquido Proveniente das (Aplicado nas) Atividades de Financiamentos
1.277.415 (179.063)
Aumento (redução) Líquido de Caixa e Equivalentes de Caixa
287.273 268.217
Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do Exercício
2.634.281
1.877.686
Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do Exercício
2.921.554
2.145.903
CONCILIAÇÃO COM A LINHA DE DISPONIBILIDADES NO BALANÇO PATRIMONIAL
Saldo inicial Caixa
2.634.281
1.877.686
Saldo inicial de Títulos e valores mobiliários
1.033.259
931.672
Disponibilidades no início do exercício
3.667.540
2.809.358
Aumento (redução) líquido de caixa e equivalentes de caixa
287.273
268.217
Aumento (redução) líquido de títulos
(26.507)
(79.424)
Saldo final Caixa
2.921.554
2.145.903
Saldo final de Títulos
1.006.752
852.248
Disponibilidades no final do exercício
3.928.306
2.998.151
Fluxo de Caixa - Consolidado
IFRS
background image
Resultados do 3T10 22
R$ mil
9M10
9M09
Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais
Lucro Líquido do Exercício
1.170.698
613.674
Encargos e Var. Monetárias/Cambiais líquidas
(60.815)
(1.027.940)
Despesas de Juros
290.996
300.070
Depreciação e Amortização
604.977
637.445
Baixa de Imobilizado e Diferido
3.166
12.708
Participações em Controladas e Coligadas
(180.041)
(82.645)
Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos
(62.467)
18.273
Constituição (reversão) de Provisões
106.450
42.258
Total
1.872.964
513.843
(Acréscimo)/Decréscimo de Ativos
Títulos e Valores Imobiliários
(21.901)
231.515
Em Contas a Receber
(137.380)
(219.540)
Nos Estoques
(1.373.257)
1.569.293
Impostos a Recuperar
(46.074)
297.878
Depósitos Judiciais
(18.468)
(29.098)
Contas a Receber de Empresas Ligadas
1.052
25
Outros
(32.408)
114.410
Total
(1.628.436)
1.964.483
Acréscimo/(Decréscimo) de Passivos
Fornecedores, Empreiteiros e Fretes
303.779
47.273
Valores a Pagar a Sociedades Ligadas
(21.102)
(17.597)
Adiantamentos de Clientes
161.682
17.441
Tributos a Recolher
(23.738)
79.645
Imposto de Renda e Contribuição Social
139.916
(435.276)
Juros Pagos
(289.901)
(345.747)
Pagamento de Passivo Atuarial
(109.410)
(111.298)
Outros
53.089
(601)
Total
214.315
(766.160)
Caixa Líquido Proveniente das Atividades Operacionais
458.843 1.712.166
Fluxos de caixa das Atividades de Investimentos
(Adições) Baixa de investimentos
(32.400)
30.000
(Adições) baixa do Imobilizado
(2.199.896)
(1.443.646)
(Adições) baixa do Intangível
(14.274)
11.878
Juros Capitalizados
0
0
Aquisição da Controlada Zamprogna menos Caixa Líq.
0
(69.336)
Dividendos Recebidos
43.239
68.248
Caixa Líquido Aplicado nas Atividades de Investimentos
(2.203.331) (1.402.856)
Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamentos
Ingressos de Emprést., Financiam. e Debêntures
3.589.667
999.618
Pagamentos de Emprést., Financ. e Debênt.
(595.344)
(1.254.188)
Pagamaneto de tributos parcelados
(36.364)
(8.987)
Resgate de Operações de Swap
(9.906)
(127.094)
Dividendos e Juros sobre Capital Próprio
(380.207)
(696.997)
Caixa Líquido Proveniente das (Aplicado nas) Atividades de Financiamentos
2.567.846 (1.087.648)
Aumento (redução) Líquido de Caixa e Equivalentes de Caixa
823.358 (778.338)
Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do Exercício
2.098.196
2.924.241
Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do Exercício
2.921.554
2.145.903
CONCILIAÇÃO COM A LINHA DE DISPONIBILIDADES NO BALANÇO PATRIMONIAL
Saldo inicial Caixa
2.098.196
2.294.241
Saldo inicial de Títulos e valores mobiliários
984.851
1.083.763
Disponibilidades no início do exercício
3.083.047
4.008.004
Aumento (redução) líquido de caixa e equivalentes de caixa
823.358
(778.338)
Aumento (redução) líquido de títulos
21.901
(231.515)
Saldo final Caixa
2.921.554
2.145.903
Saldo final de Títulos
1.006.752
852.248
Disponibilidades no final do exercício
3.928.306
2.998.151
Fluxo de Caixa - Consolidado
IFRS