background image
Resultados do 2T11 1
R$ milhões
2T11
1T11
2T10
Var.
2T11/1T11
1S11
1S10
Var.
1S11/1S10
Produção aço bruto (mil t.)
1.858
1.783
1.937
4%
3.641
3.757
-3%
Vendas Físicas (mil t.)
1.583
1.588
1.821
0%
3.171
3.436
-8%
Receita Líquida
3.026
3.063
3.587
-1%
6.089
6.629
-8%
Lucro (Prejuízo) Líquido
157
16
415
877%
173
790
-78%
EBITDA (a)
365
337
872
8%
702
1.582
-56%
Margem EBITDA
12,1%
11,0%
24,3%
+1,1 p.p
11,5%
23,9%
-12,4 p.p
Investimentos
525
630
757
-17%
1.155
1.515
-24%
Caixa
5.630
5.887
3.668
-4%
5.630
3.668
53%
(a) Resultado operacional antes dos juros, impostos, depreciações, amortizações e participações.
Destaques Consolidados



A Usiminas prioriza sua competitividade, com foco em
redução de custos e integração das suas
Unidades de Negócios

No 2T11, os principais destaques foram:
A produção de aço bruto totalizou 1,9 milhão de toneladas, sendo 4% superior em
relação à produção do 1T11;
A produção de minério alcançou 1,5 milhão de toneladas;
As vendas de produtos siderúrgicos ficaram estáveis em relação ao 1T11 e atingiram
1,6 milhão de toneladas;
A receita líquida foi de R$3,0 bilhões, estável quando comparada à receita do 1T11;
O EBITDA totalizou R$365 milhões e a margem EBITDA alcançou 12,1%;
A posição de caixa em 30/06/11 era de R$5,6 bilhões;
O índice dívida líquida/EBITDA em 30/06/11 era de 1,6 vez;
Os investimentos totalizaram R$525 milhões, 17% inferiores ao apurado no 1T11.








PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA - Belo Horizonte, 2 de Agosto de 2011. Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A. - Usiminas
(BM&FBOVESPA: USIM3, USIM5 e USIM6; OTC: USDMY e USNZY; Latibex: XUSIO e XUSI) divulga hoje os resultados do segundo
trimestre do exercício de 2011 (2T11). As informações operacionais e financeiras da Companhia, exceto quando indicado de outra
forma, são apresentadas com base em números consolidados e em reais, em conformidade com o IFRS (International Financial
Reporting Standards). As comparações realizadas neste comunicado levam em consideração o primeiro trimestre de 2011, exceto
quando especificado em contrário.
Índice Interativo
BM&FBOVESPA: USIM5 R$13,70/ação
USIM3 R$23,48/ação
EUA/OTC: USNZY US$8,75/ADR
Latibex: XUSI 6,04/ação
XUSIO 10,50/ação
Dados de Mercado - 30/06/11
· Resultados Consolidados
· Desempenho das Unidades de Negócios:
- Siderurgia
- Mineração
- Siderurgia
- Transformação do Aço
- Bens de Capital
· Mercado de Capitais
· Balanço, DRE e Fluxo de Caixa
2T11
2T11
background image
Resultados do 2T11 2
Conjuntura Econômica
A economia global desacelerou nos últimos meses. Entre as causas estão a elevação dos
preços da energia, os reflexos dos desastres naturais no Japão, o acirramento das tensões
políticas no Oriente Médio e Norte da África, o pouco dinamismo da recuperação do mercado
de trabalho nos Estados Unidos e as incertezas sobre a solvência das economias mais fracas da
Zona do Euro.
No Brasil, a economia parece acomodar-se em um ritmo inferior àquele que se verificou no
primeiro trimestre de 2011. O ambiente de negócios para o setor siderúrgico de aços planos
permanece deteriorado pelos estoques elevados do mercado interno, pelas pressões de custos
de matérias-primas e pela ameaça constante das importações que, no entanto, reduziram-se
de forma significativa nos últimos meses. Mais grave é o fato de que as importações indiretas
(produtos que contém aço) têm crescido de forma considerável em 2011, reduzindo
principalmente a venda de aços para a indústria.
No segundo trimestre de 2011 os principais indicadores evoluíram apontando um movimento
de desaceleração que parece ter-se generalizado entre os setores da economia. Os índices de
confiança do empresário industrial de junho, segundo a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e a
Confederação Nacional da Indústria (CNI), confirmam a situação menos favorável do ambiente
de negócios da indústria neste trimestre frente ao trimestre anterior. Contudo, as suas
expectativas de melhoria dos negócios nos próximos meses sustentam um cenário de
moderado otimismo.
Mineração Usiminas
(Evento subsequente ao fechamento do trimestre)
A Usiminas informou em 14 de julho de 2011, que sua controlada a Mineração Usiminas S.A.
(MUSA) firmou com a Materiais Básicos Ltda. (MBL) instrumento contratual que prevê o
arrendamento dos direitos minerários da MBL com duração de 30 anos ou até o esgotamento
das reservas dos direitos minerários da MBL, hoje estimadas em 145 milhões de toneladas. A
MUSA pagará o valor equivalente a US$7,50 por tonelada efetivamente lavrada nas reservas
da MBL, o qual será reajustado em linha com a variação do preço internacional do minério de
ferro. Os direitos minerários da MBL fazem divisa com os da MUSA, o que amplia o acesso da
empresa às suas reservas, através da majoração da cava. Estima-se que, com isso, serão
liberados 253 milhões de toneladas das reservas da Mineração Usiminas, o que foi possível
somente depois deste acordo.
Resultados
Os resultados do trimestre ficaram estáveis quando comparados aos do primeiro trimestre,
afetados principalmente pela continuidade da pressão dos custos das principais matérias-primas
e pela valorização cambial.
A Usiminas continua seguindo a sua estratégia de priorizar a eficiência e ampliar sua
produtividade e competitividade. As ações em curso visam à redução dos custos operacionais, à
verticalização dos ativos e à integração dos negócios em toda cadeia de produção (da mineração
à transformação do aço e produção de bens de capital) com atendimento focado no cliente,
através da agregação de valor e serviços.
Para atingir seus objetivos
-- reduzir custos, elevar margens de rentabilidade e ganhar poder de
competição -- a Usiminas também aprimorou os instrumentos de gestão e quer atingir a
autossuficiência em energia elétrica até 2015, aproveitando gases das duas usinas ­ Ipatinga e
Cubatão - e investindo em outras fontes de energia. Outro pilar da estratégia será a ampliação
da produção de minério de ferro e atingir a capacidade anual de 29 milhões de toneladas a partir
de 2014/2015, após realizar investimentos estimados em R$4,1 bilhões. No segmento de
siderurgia, a Companhia estima investir R$1,6 bilhões em 2011, com destaque para as obras de
construção da nova linha de tiras a quente na usina de Cubatão que deverá ser concluída no
1T12.
background image
Resultados do 2T11 3
2T11
1T11
2T10
1S11
1S10
MI
87%
84%
88%
85%
85%
ME
13%
16%
12%
15%
15%
Total
100%
100%
100%
100%
100%
Distribuição da Receita Líquida
2T11
1T11
2T10
1S11
1S10
7,4%
5,3%
18,9%
6,3%
18,3%
Margem Operacional
2T11
1T11
2T10
1S11
1S10
13,9%
9,8%
23,0%
11,8%
23,0%
Margem Bruta
Desempenho Econômico e Financeiro
Comentários dos Resultados Consolidados

Receita Líquida
A receita do 2T11 manteve-se estável em relação à do 1T11, alcançando R$3,0 bilhões, apesar
da pequena diferença de menor volume de vendas e do maior preço médio de venda praticado
durante o trimestre. No acumulado de 2011, a receita alcançada foi inferior em 8% quando
comparada ao mesmo período de 2010, principalmente em decorrência da menor quantidade
vendida.


Custos dos Produtos Vendidos (CPV)
No 2T11, apesar dos impactos oriundos dos reajustes de matérias-primas, o CPV totalizou
R$2,6 bilhões, apresentando uma redução de 6%, quando comparado ao 1T11, que alcançou
R$2,8 bilhões. Esta variação deve-se à redução de serviços de terceiros e produtos para
revenda. Comparativamente ao 1S10, o custo dos produtos vendidos foi superior em 5% no
acumulado deste ano, uma vez que houve forte aumento de preços de matérias-primas e
também de mão de obra. Como consequência, a margem bruta da Companhia apresentou o
seguinte desempenho:

Despesas e Receitas Operacionais
No 2T11, foi apurada despesa operacional de R$198,3 milhões, comparado com R$137,5 milhões
registrada no 1T11. Essa variação deriva principalmente da maior reversão de contingências
tributárias referentes ao PIS ocorrida no 1T11. Dessa forma, a margem operacional da Companhia
apresentou o seguinte desempenho:

EBITDA
O EBITDA do 2T11 cresceu em relação ao do 1T11, alcançando R$365,3 milhões. No período, o
volume de vendas de aço destinado ao mercado interno alcançou 85% sobre o total, uma
evolução de oito pontos percentuais em relação ao do 1T11, gerando um efeito positivo em
razão de melhores preços no mercado interno. Na comparação do primeiro semestre de 2011
com o mesmo período de 2010, verificou-se um decréscimo de 56% devido ao impacto no CPV
advindo do aumento de preços das matérias-primas e ao menor volume de vendas pela
siderurgia. As margens estão indicadas abaixo:
2T11
1T11
2T10
1S11
1S10
12,1%
11,0%
24,3%
11,5%
23,9%
Margem EBITDA
background image
Resultados do 2T11 4
R$ milhões
2T11
1T11
2T10
Var.
2T11/1T11
1S11
1S10
Var.
1S11/1S10
Efeitos Cambiais
71.152
57.793
(30.794)
23%
128.945
(101.547)
-
Variação Cambial
81.180
43.666
(7.137)
86%
124.846
(69.452)
-
Swap
(10.028)
14.127
(23.657)
-
4.099
(32.095)
-
Valor de Mercado das Operações de Swap (Lei 11.638)
3.514
(2.147)
(26.087)
-
1.367
(8.869)
-
Efeitos Monetários
(13.014)
(12.274)
(11.502)
6%
(25.288)
(21.659)
17%
Receitas Financeiras
145.494
147.165
81.981
-1%
292.659
147.389
99%
Despesas Financeiras
(161.531)
(147.064)
(103.854)
10%
(308.595) (187.563)
65%
RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO
45.615
43.473
(90.256)
5%
89.088 (172.249)
-
Resultado Financeiro - Consolidado
Resultado Financeiro
No 2T11, o resultado financeiro líquido ficou em linha com o do 1T11, e deveu-se
basicamente aos ganhos cambiais decorrentes da valorização do real frente ao dólar norte-
americano de 4,15% no 2T11. O resultado financeiro líquido consolidado apresentou uma
receita de R$89,1 milhões no 1S11, contra R$172,2 milhões de despesas em igual período de
2010, basicamente em função dos efeitos cambiais decorrentes da valorização do real frente
ao dólar norte-americano de 6,31% em 2011 e desvalorização de 3,46% nos seis primeiros
meses de 2010.
Participação em Controladas
Contribuiu em R$13,7 milhões na linha de equivalência patrimonial, principalmente o resultado
da participação na MRS Logística. Na comparação do primeiro semestre de 2011 com o mesmo
período de 2010, essa linha manteve-se estável.
Lucro Líquido
O lucro líquido do 2T11 totalizou R$156,6 milhões, contra um lucro líquido de R$16,0 milhões
registrado no 1T11. O trimestre anterior foi afetado pela perda contábil apurada na venda das
ações da Ternium. No semestre, o pior desempenho quando comparado ao mesmo período do
ano anterior deveu-se principalmente ao menor volume vendido pela siderurgia, aos impactos no
custo de produção provenientes do aumento de preços de matérias-primas e ao efeito contábil
apurado na venda de ações da Ternium.
Endividamento
A dívida bruta em 30/06/11 somava R$8,4 bilhões, acima daquela registrada em 31/03/2011
que era de R$8,2 bilhões. A dívida líquida ao fim do trimestre era de R$2,8 bilhões, contra
R$2,3 bilhões em 31/03/11. O índice dívida líquida/EBITDA em 30/06/11 era de 1,6 vez,
contra um índice de 1,0 vez em 31/03/2011.
No encerramento do trimestre, a composição da dívida por prazo de vencimento indicava: 14%
no curto prazo e 86% no longo prazo. A composição por moeda estava representada da
seguinte forma: 56% em moeda nacional e 44% em moeda estrangeira.
background image
Resultados do 2T11 5
3.438
428
566
775
842
805
639
237
221
16
160
2.192
148
505
681
474
362
547
195
780
Caixa
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019
a partir de
2020
Moeda Local
Moeda Estrangeira
1.071
5.630
576
1.456
1.316
1.167
1.186
432
1.001
16
Duração da Dívida: R$: 43 meses
US$: 51 meses
160
31/03/2011
Curto Prazo
Longo Prazo
TOTAL
TOTAL
Moeda Estrangeira (*)
351.691
3.341.086
3.692.777
44%
3.984.170
-7%
TJLP
228.560
460.575
689.135
-
659.324
5%
Outras nacionais
254.294
2.815.656
3.069.950
-
2.647.011
16%
Debêntures
273.755
250.000
523.755
-
508.961
3%
Tributos parcelados
69.769
52.346
122.115
-
128.298
-5%
FEMCO
0
283.733
283.733
-
272.445
4%
Moeda Nacional
826.378
3.862.310
4.688.688
56%
4.216.039
11%
ENDIVIDAMENTO TOTAL
1.178.069
7.203.396
8.381.465
100%
8.200.209
2%
CAIXA e APLICAÇÕES
-
-
5.629.542
-
5.887.295
-4%
ENDIVIDAMENTO LÍQUIDO
-
-
2.751.923
-
2.312.914
19%
(*) 99% do total de moedas estrangeiras é US dolar
Empréstimos e Financiamentos por Indexador - Consolidado
R$ mil
30-jun-11
Var.
jun11/mar11
%
Perfil de Vencimentos
background image
Resultados do 2T11 6
Mineração
Siderurgia
Transformação do
Aço
Bens de Capital
Mineração Usiminas*
Usina de Ipatinga
Soluções Usiminas*
Usiminas Mecânica*
Usina de Cubatão
Automotiva Usiminas*
Unigal *
* Controlada da Companhia
** Resultados contabilizados via participação em Controladas/Coligadas
Usiminas Consolidado
Participação na Metform
e Codeme**
R$ milhões
2T11 1T11 1S11 1S10
2T11 1T11 1S11 1S10
2T11 1T11 1S11 1S10
2T11 1T11 1S11 1S10
2T11 1T11 1S11 1S10
Receita Líquida de Vendas
266
213
480
435
2.793 2.691 5.484 6.095
508
593
1.102 1.317
355
325
681
667
3.026 3.063 6.089 6.629
Custo Produtos Vendidos
(64)
(58)
(123) (137) (2.628) (2.684) (5.312) (5.135)
(452) (541) (993) (1.070) (314) (290) (604) (579)
(2.606) (2.765) (5.370) (5.103)
Lucro Bruto
202
155
357
299
165
8
173
960
56
53
109
247
42
35
77
88
420
299
719
1.526
(Despesas)/Receitas
Operacionais
(30)
(22)
(52)
(35)
(95)
(36)
(131) (157)
(51)
(54)
(105)
(73)
(24)
(27)
(51)
(45)
(198) (137) (336) (311)
Lucro (Prej.) Operacional
antes Financ.
172
132
305
264
70
(28)
42
803
6
(1)
4
174
18
7
26
43
222
161
383 1.215
EBITDA
180
139
319
278
189
117
306 1.115
19
16
35
200
25
15
39
57
365
337
702 1.582
MARGEM EBITDA
68% 65% 66% 64%
7%
4%
6%
18%
4%
3%
3%
15%
7%
5%
6%
9%
12%
11%
12%
24%
Demonstração de Resultado por Unidades de Negócios - Pro forma não auditado
Mineração
Siderurgia
Transformação do aço
Bens de Capital
Consolidado
Desempenho das Unidades de Negócios
As transações entre as Companhias são apuradas em valores e condições de mercado.


I)
M I N E R A Ç Ã O

Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio ­ Mineração
A receita líquida do segmento de Mineração no 2T11 foi de R$266 milhões, 25% superior quando
comparada à do 1T11. Este acréscimo deve-se principalmente aos melhores preços praticados no
período e ao maior volume de vendas.
O lucro bruto alcançou R$202 milhões. O acréscimo na receita refletiu-se diretamente no
crescimento da margem bruta, que passou de 73% no 1T11 para 76% no 2T11.
No 2T11, as despesas operacionais apresentaram um acréscimo de 32% em relação às do 1T11,
sendo que houve aumento das despesas gerais e administrativas, devido, principalmente, às
contratações de serviços de terceiros para elaboração de projetos de expansão.
O EBITDA apurado no trimestre foi de R$180 milhões, 29% superior ao do 1T11, gerando uma
margem de 68%.
background image
Resultados do 2T11 7
Mil toneladas
2T11
1T11
2T10
Var.
2T11/1T11
1S11
1S10
Var.
1S11/1S10
Produção
1.536
1.554 1.725
-1%
3.090
3.234
-4%
Vendas Externas
323
213
85
52%
536
405
32%
Vendas para a Usiminas
1.170
1.035 1.438
13%
2.205
2.810
-22%
Total = Vendas
1.493
1.248 1.523
20%
2.741
3.215
-15%
Minério de Ferro
Desempenho Operacional e de Vendas
No segundo trimestre, o volume de produção atingiu 1,5 milhão de toneladas, ligeiramente inferior
ao do primeiro trimestre deste ano. O desempenho foi afetado principalmente por manutenções
corretivas na planta. No ano de 2011, a meta é atingir uma capacidade de produção de
aproximadamente oito milhões de toneladas de minério de ferro.
O volume total de vendas ficou 20% acima do 1T11, devido principalmente a exportações
postergadas que foram concluídas no segundo trimestre. O volume de minério destinado às usinas
de Ipatinga e Cubatão atingiu aproximadamente 1,2 milhão de toneladas.
As vendas externas e vendas para as usinas de Ipatinga e de Cubatão estão demonstradas no
quadro abaixo:
Investimentos
No 2T11 ocorreu o start-up do circuito de separação magnética da Mina Central e a contratação
das obras civis da nova planta de flotação da Mina Central e seus principais equipamentos.
Também foi concluída a implantação da nova Barragem Samambaia na Mina Oeste.
Em linha com a estratégia de expansão da Mineração Usiminas, várias ações de ampliação e
adequação em sua infraestrutura foram realizadas.

Logística ­ Participação na MRS
A MRS transportou no trimestre o volume de 38 milhões de toneladas úteis de carga em geral,
dentre as quais estão as de minério de ferro, carvão/coque, produtos siderúrgicos, cimento e
outros, representando um aumento de 10% com relação ao 1T11.
A MRS Logística é uma concessionária que controla, opera e monitora a Malha Sudeste da
Rede Ferroviária Federal. A empresa atua no mercado de transporte ferroviário, interligando os
Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, e seu foco de atividades consiste em
logística integrada no transporte de cargas gerais, como minério, produtos siderúrgicos
acabados, cimento, bauxita, produtos agrícolas, coque verde de petróleo e contêineres.
Destaque
A Usiminas deu início em maio deste ano à recuperação ambiental da área que possui no
município de Itaguaí (RJ). O terreno -- um dos maiores passivos ambientais do Brasil --
pertencia à massa falida da Ingá Mercantil e servirá como alternativa para futuras instalações
portuárias da Usiminas. As obras deste projeto, em que a Usiminas estima investir R$92
milhões, têm duração prevista de 18 meses.
background image
Resultados do 2T11 8
Mil toneladas
2T11
1T11
2T10
Var.
2T11/1T11
1S11
1S10
Var.
1S11/1S10
Usina de Ipatinga
966
907
987
7%
1.873
1.947
-4%
Usina de Cubatão
892
876
950
2%
1.768
1.810
-2%
Total
1.858
1.783
1.937
4%
3.641
3.757
-3%
Produção (Aço Bruto)
II)
S I D E R U R G I A

Produção de Aço Brasileira e Mundial
A produção brasileira de aço bruto alcançou 17,7 milhões de toneladas até junho deste ano,
crescimento de aproximadamente 8,2%, em relação à igual período do ano anterior, conforme
dados preliminares divulgados pelo Instituto Aço Brasil (IABr).
Já a produção mundial de aço bruto até junho apresentou um crescimento de 7,6% em relação
à do mesmo período de 2010, segundo dados divulgados pela World Steel Association,
atingindo aproximadamente 758,6 milhões de toneladas.
Destaque para países como a China, líder mundial da produção de aço bruto, que produziu
mais de 353 milhões de toneladas de aço bruto até junho, representando cerca de 47% da
produção mundial. A Coréia do Sul e a Ucrânia apresentaram as maiores taxas de crescimento
no período, de respectivamente 18% e 7% quando comparadas às do mesmo período do ano
anterior, alcançando um nível maior que 30 milhões e 15 milhões de toneladas
respectivamente.
Mercado de Aços Planos
Dados preliminares da indústria indicam que no 2T11 o mercado brasileiro de aços planos
consumiu 3,3 milhões de toneladas, sendo 87% do volume fornecido pelas usinas locais e 13%
por importações.
O consumo apresentou uma elevação de 5% no 2T11 em relação ao 1T11. O mercado,
estimulado pelo bom desempenho das vendas do 1T11, por prognósticos bem mais otimistas
acerca da recuperação da economia mundial, da continuidade do crescimento e da liberação de
recursos para obras de infraestrutura, elevou as compras para o período. Parte destas vendas
ocorreu por antecipação ao aumento de preços anunciado. Contudo, as expectativas não se
realizaram e houve queda significativa do consumo ao final de junho. O nível de importações
do 2T11 manteve-se estável se comparado ao do 1T11.

Produção - Usinas de Ipatinga e Cubatão
No 2T11, a produção de aço bruto nas usinas de Ipatinga e de Cubatão foi de 1,9 milhão
de toneladas, um aumento de 4% em relação ao 1T11. A produção de laminados foi de
1,5 milhão de toneladas, 7% abaixo da produção verificada no 1T11.






background image
Resultados do 2T11 9
1.917
1.915
1.458
1.044
1.187
1.694
1.703
1.615
1.821
1.550
1.579
1.588
1.583
2T08
3T08
4T08
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
4T10
1T11
2T11
Mercado Externo
Mercado Interno
Vendas Consolidadas (mil t)
13%
16%
22%
25%
22%
33%
29%
27%
21%
20%
32%
87% 84% 78% 75% 78% 67% 71% 73% 79% 80% 68% 77% 85%
23%
15%
Mil toneladas
Var.
2T11/1T11
VENDAS FÍSICAS TOTAIS
1.583
100%
1.588
100%
1.821
100%
0%
3.171
100%
3.436
100%
Chapas Grossas
409
26%
411
26%
381
21%
-1%
820
26%
704
20%
Laminados a Quente
471
30%
477
30%
577
32%
-1%
948
30%
1.089
32%
Laminados a Frio
429
27%
437
28%
495
27%
-2%
866
27%
977
29%
Eletrogalvanizados
56
4%
52
3%
63
3%
8%
107
3%
116
3%
Galvaniz. Imersão a Quente
119
8%
128
8%
127
7%
-7%
248
8%
225
7%
Produtos Processados
34
2%
36
2%
40
2%
-7%
70
2%
72
2%
Placas
65
3%
46
3%
138
8%
41%
111
4%
253
7%
MERC. INTERNO
1.343
85%
1.230
77%
1.437
79%
9%
2.572
81%
2.610
76%
Chapas Grossas
327
21%
265
16%
244
14%
23%
592
19%
410
12%
Laminados a Quente
441
28%
429
27%
527
29%
3%
871
27%
955
28%
Laminados a Frio
357
23%
315
20%
436
24%
14%
672
21%
832
24%
Eletrogalvanizados
49
3%
47
3%
58
3%
3%
96
3%
105
3%
Galvaniz. Imersão a Quente
107
6%
117
7%
116
6%
-9%
224
7%
201
6%
Produtos Processados
27
2%
28
2%
27
1%
-3%
55
2%
50
1%
Placas
34
2%
28
2%
29
2%
23%
62
2%
57
2%
MERC. EXTERNO
240
15%
358
23%
384
21%
-33%
598
19%
826
24%
Chapas Grossas
82
5%
146
9%
137
8%
-44%
228
7%
294
9%
Laminados a Quente
30
2%
48
3%
50
3%
-37%
78
2%
134
4%
Laminados a Frio
71
5%
122
8%
58
3%
-41%
193
6%
144
4%
Eletrogalvanizados
7
0%
4
0%
5
0%
61%
11
0%
11
0%
Galvaniz. Imersão a Quente
12
1%
11
1%
12
1%
10%
24
2%
25
1%
Produtos Processados
7
0%
8
1%
13
1%
-19%
15
0%
22
1%
Placas
31
2%
18
1%
109
5%
69%
49
2%
196
5%
2T10
1T11
2T11
1S11
1S10
Var.
1S11/1S10
-8%
17%
-13%
-11%
-7%
10%
-2%
-56%
-1%
44%
-9%
-19%
-8%
11%
10%
9%
-28%
-22%
-42%
34%
1%
-4%
-31%
-75%
Distribuição de Vendas por Produto - Consolidado

Vendas
As vendas físicas totais da Usiminas no 2T11 alcançaram o volume de 1,6 milhão de toneladas,
85% das quais foram destinadas ao mercado interno, o que corresponde a 1,3 milhão de
toneladas de produtos, e 9% maiores quando comparadas às vendas ao mercado interno no
1T11.
Já as exportações no 2T11 decresceram 33% em relação às do 1T11 e representaram 15% das
vendas totais do trimestre.

Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio - Siderurgia
A Siderurgia obteve no 2T11 uma receita líquida de R$2,8 bilhões, 4% superior quando
comparada com a receita do 1T11, destacando-se:
O aumento da participação do volume de vendas no mercado interno, que passou de
77% no 1T11 para 85% no 2T11;
background image
Resultados do 2T11 10
O preço médio por tonelada foi aproximadamente 2% maior no mercado interno e 5%
maior no mercado externo, quando comparado com o 1T11.
No 2T11, o CPV foi de R$2,6 bilhões, em linha com o apurado no 1T11.
O aumento das despesas e das receitas operacionais foi de R$59 milhões, pelos motivos
demonstrados na análise do Consolidado.
O EBITDA alcançou R$189 milhões, 62% superior ao apurado no 1T11, devido principalmente ao
maior preço médio do aço vendido e do maior volume vendido no mercado interno, resultando
em um acréscimo na receita líquida. A margem EBITDA passou de 4% no 1T11 para 7% no
2T11.

Plano de Investimentos (Capex)
Os investimentos no imobilizado no 2T11 somaram R$525 milhões, acumulando R$1,2 bilhão no
1S11. A situação atual dos principais projetos de investimento nas usinas está detalhada abaixo:
A nova linha de galvanização em Ipatinga concluiu os testes a quente em junho de
2011. Esta linha de galvanização por imersão a quente irá expandir em 550 mil
toneladas a capacidade de produção atual, de 480 mil toneladas por ano. Os
investimentos somaram aproximadamente R$900 milhões. Esse equipamento deverá
estar operando a plena capacidade a partir do 3T11;
A nova linha de tiras a quente em Cubatão com start up previsto para 1T12,
representará investimentos de aproximadamente R$2,5 bilhões e acrescentará
2,3 milhões de toneladas de capacidade de laminação por ano. Os investimentos
somaram aproximadamente R$2,2 bilhões, desde o início do projeto.
Destaque
Em junho a Usiminas avançou na estratégia de autossuficiência energética. Assinou contrato
com a Cemig para gestão otimizada e anunciou a criação de uma diretoria para conduzir os
processos de competitividade ligados a energia, com a meta de se tornar autossuficiente em
energia elétrica até 2015, desde que economicamente viável.
III)
T
R A N S F O R M A Ç Ã O D O A Ç O
Soluções Usiminas
A Soluções Usiminas atua nos mercados de distribuição, serviços e tubos em todo o País,
oferecendo a seus clientes produtos de alto valor agregado. A Empresa tem capacidade de
processar mais de 2 milhões de toneladas de aço por ano em suas 14 unidades industriais,
estrategicamente distribuídas nos Estados do Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas Gerais,
Espírito Santo, Bahia e Pernambuco, atendendo a diversos setores econômicos, tais como
automobilístico, autopeças, construção civil, distribuição, eletroeletrônico, máquinas e
equipamentos, utilidades domésticas dentre outros.
As vendas dos segmentos de negócios Distribuição, Serviços e Tubos foram responsáveis por
respectivos 45%, 44% e 11% do volume faturado.
Automotiva Usiminas
A Automotiva Usiminas é a única empresa do setor de autopeças a produzir conjuntos
completos e cabines pintadas em sua cor definitiva, do desenvolvimento da matéria-prima ao
produto final, passando pelos processos de estamparia, solda, pintura e montagem.
background image
Resultados do 2T11 11
Destaques
Mitsubishi Dakar: Em abril de 2011, iniciou-se a produção do comercial leve Pajero Dakar no
Brasil, cujos conjuntos de portas, capô e estampados laterais são fornecidos agora pela
Automotiva Usiminas. Também há um projeto de parceria com a Suzuki para montar e pintar o
Jimny. Esse projeto é o início dos investimentos desta montadora no Brasil, que já anunciou
uma fábrica para 2012 no interior de Goiás.

Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio - Transformação do Aço
A receita líquida do 2T11 totalizou R$508 milhões e foi 14% inferior quando comparada à do
1T11. A relação CPV/receita líquida recuou de 91% no 1T11 para 89% no 2T11. As despesas e
receitas operacionais também recuaram 5,5% em relação às do 1T11. O EBITDA totalizou
R$19 milhões, 18% superior ao do 1T11, principalmente pela redução dos custos dos produtos
vendidos e das despesas operacionais que ficaram, respectivamente, 16% e 6% inferiores às
do 1T11. Destaca-se:

Soluções Usiminas: A receita líquida no 2T11 totalizou R$398 milhões, montante 18%
inferior quando comparado ao do 1T11. O volume comercializado foi 17% inferior ao do 1T11
em função do desaquecimento do mercado, dos níveis elevados de estoque e do acirramento
da concorrência que implicaram na redução dos volumes comercializados.

Automotiva Usiminas: a receita líquida atingiu R$84 milhões, 11% acima da receita
registrada no 1T11.
IV)
B E N S DE C A P I T A L
Usiminas Mecânica S.A.
A Usiminas Mecânica é uma das maiores empresas de bens de capital do Brasil e atua nas
seguintes áreas de negócios:
Estruturas Industriais, Pontes Metálicas e Blanks;
Equipamentos Industriais;
Montagens Industriais;
Fundição e Vagões Ferroviários;
Manutenção Industrial.
Destaques do trimestre em novos contratos:
Fornecimento e montagem de forno para a Petrobras para geração de amônia, utilizada
na produção de fertilizantes para a Unidade de Fertilizantes Nitrogenados (UFN);
Fornecimento de 447 vagões telescópicos (FTT) para a nova planta de papel e celulose
da Eldorado, do Grupo JBS, a ser instalada na cidade de Três Lagoas (MS);
Fornecimento de 220 vagões gôndolas (GDU) para a Vale - Estrada de Ferro Carajás;
Fornecimento das estruturas metálicas para a cobertura da Arena do Palmeiras, em São
Paulo;
Fornecimento de chapas manufaturadas (Blanks) para a construção de navios de apoio
às plataformas da Petrobras (Supply Boats).
Em 30 de junho, a carteira de projetos de longo prazo totalizava R$834 milhões.
background image
Resultados do 2T11 12

Destaque das obras em execução:
Montagem de 11 Tanques de Armazenamento, dos quais oito são para óleo bruto e três
para água, incluindo a construção civil das bases, montagem eletromecânica,
caldeiraria, instrumentação, preservação, condicionamento, testes, apoio e pré-
operação, para a Refinaria Abreu Lima (RNEST), da Petrobras, em Ipojuca (PE). Os
Tanques de Óleo têm 98,5m de diâmetro, 14,7m de altura e 111.500m³ de capacidade.
Os Tanques de Água têm 65m de diâmetro, 14,7m de altura e 48.500m³ de
capacidade;
Montagem eletromecânica do mais moderno Laminador de Tiras a Quente da América
do Sul, para a usina da Usiminas em Cubatão (SP);
Execução do contrato para uma nova Planta de Desgaseificação a Vácuo (uniformização
e melhoria na qualidade do aço), que está sendo instalada na usina da Usiminas em
Ipatinga (MG). Esse contrato de equipamentos está sendo fornecido em regime turn-
key
pela Usiminas Mecânica.
Investimentos
Fundição em processo de expansão e modernização, com linhas de moldagem manual e
mecanizada, com previsão de conclusão até o 4T11. A capacidade instalada alcançará
41 mil toneladas por ano;
Aquisição de Máquina de Solda específica para soldagem de painéis e para fabricação de
blocos navais de grande porte;
Aquisição de Torno Vertical para usinagem de peças fundidas, para atender à demanda
de peças de grande porte usinadas, dos mercados de energia hidráulica, cimento e
mineração.
Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio Bens de Capital
A receita líquida apurada no 2T11 foi de R$355 milhões, 9% superior quando comparada com
a do 1T11.
A relação CPV/receita líquida reduziu-se de 89% no 1T11 para 88% no 2T11, e o lucro bruto
alcançou R$42 milhões no trimestre, 20% superior ao do 1T11. O EBITDA do 2T11 totalizou
R$25 milhões, superior em R$10 milhões ao alcançado no 1T11. A margem EBITDA cresceu 2
pontos percentuais e atingiu 7%, com destaque para os projetos do segmento de Montagem
Industrial feitos no decorrer do trimestre.









background image
Resultados do 2T11 13
2T11
2T10
1T11
Var.
2T11/1T11
Número de Negócios
437.494
394.257
583.833
-25%
Média Diária
7.056
6.359
9.571
-26%
Quantidade Negociada - mil ações
328.053
377.060
426.376
-23%
Média Diária
5.291
6.082
6.990
-24%
Volume Financeiro - R$ milhões
5.148
9.660
8.490
-39%
Média Diária
83
156
139
-40%
Cotação Máxima
20,05
32,23
21,80
-8%
Cotação Mínima
12,85
20,76
18,25
-30%
Cotação Unitária Final
13,70
24,06
19,75
-31%
Valor de Mercado - R$ milhões
13.889
24.387
20.022
-31%
Resumo do Desempenho da Usiminas na BM&FBOVESPA (USIM5)
Mercado de Capitais
Desempenho na BM&FBOVESPA
A ação ordinária (USIM3) da Usiminas encerrou o 2T11 cotada a R$23,48 e a ação preferencial
(USIM5) a R$13,70. A desvalorização no trimestre da USIM3 foi de 16,1% e a desvalorização
da ação USIM5 foi de 30,6%. No mesmo período, o Ibovespa registrou uma desvalorização de
9,0%.

Bolsas Estrangeiras

OTC ­ Nova York
A Usiminas tem American Depositary Receipts (ADRs) negociados no mercado de balcão
americano (denominado OTC - over-the-counter): o USDMY, com lastro nas ações ordinárias, e
o USNZY, com lastro em ações preferenciais classe A. Em 30/06/11, o ADR USNZY, de maior
liquidez, estava cotado a US$8,75 e apresentou uma desvalorização no trimestre de 29,7%.

Latibex ­ Madri
Em 30/06/11, a ação XUSI (preferencial) encerrou cotada a 6,04 apresentando
desvalorização de 27,5%. A ação XUSIO (ordinária) encerrou cotada a 10,50, com uma
desvalorização no trimestre de 16,2%.
background image
Resultados do 2T11 14
Para mais informações:
Cristina Morgan C. Drumond
cristina.drumond@usiminas.com
31-3499-8772
Leonardo Karam Rosa
leonardo.rosa@usiminas.com
31-3499-8056
Diogo Dias Gonçalves
diogo.goncalves@usiminas.com
31-3499-8710
Luciana Valadares dos Santos
luciana.santos@usiminas.com
31-3499-8619
Mariana Paes Campolina
mariana.paes@usiminas.com
31-3499-8617
GERÊNCIA GERAL DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES
Financial Investor Relations Brasil Banco Custodiante das Ações
ADR ­ Banco Depositário
Lígia Montagnani ­ Consultora
Departamento de Acionistas
Tel.: (11) 3500-5558
Fone: (11) 3684-9495
ligia.montagnani@firb.com
Visite o site de Relações com Investidores:
www.usiminas.com/ri
ou acesse pelo seu celular: m.usiminas.com/ri
Horário em Brasília: às 11:00h
Telefone para conexão:
Brasil: (11) 4688.6361
Senha de acesso ao replay: 2215993 português
2T11 Teleconferência de Resultados - Data 02/08/2011
Horário em Nova York: às 10:00h
Telefone para conexão:
Veja apresentação de slides no website: www.usiminas.com/ri
EUA: (1 888) 700.0802
Demais países: (1 786) 924.6977
O áudio da teleconferência será transmitido ao vivo pela internet
Audio replay disponível pelo telefone (11) 4688.6312
Senha de acesso ao replay: 2756070 inglês
Em Português - Tradução Simultânea para Inglês




Declarações contidas neste comunicado relativas às perspectivas dos negócios, projeções de resultados operacionais e financeiros e
referências ao potencial de crescimento da Companhia constituem meras previsões, baseadas nas expectativas da Administração
em relação ao seu desempenho futuro. Essas expectativas são altamente dependentes do comportamento do mercado, da situação
econômica do Brasil, da indústria e dos mercados internacionais, portanto sujeitas a mudanças.
background image
Resultados do 2T11 15
Ativo
30/Jun/11
31/Mar/11
Circulante
13.821.404
13.795.145
Disponibilidades
5.629.542
5.887.295
Contas a Receber
1.646.133
1.753.953
Impostos a Recuperar
992.615
924.837
Estoques
5.243.236
4.892.753
Adiantamento de fornecedores
79.460
80.239
Instrumentos financeiros
21.055
25.947
Outros Títulos e Valores a Receber
209.363
230.121
Realizável a Longo Prazo
1.423.919
1.423.782
Impostos Diferidos
420.971
419.598
Depósitos Judiciais
462.317
453.056
Valores a Receber de Empresas Ligadas
5.834
5.906
Impostos a Recuperar
161.216
167.573
Instrumentos Financeiros
319.718
322.455
Outros
53.864
55.194
Permanente
16.981.481
16.692.782
Investimentos
423.836
405.718
Imobilizado
14.830.640
14.556.859
Intangível
1.727.005
1.730.205
Total do Ativo
32.226.804
31.911.709
Balanço Patrimonial - Ativo - Consolidado
IFRS - R$ mil
30/Jun/11
31/Mar/11
3.970.111
3.889.307
Empréstimos e Financiamentos e Tributos Parcelados
1.178.069
1.284.219
Fornecedores, Empreiteiros e Fretes
1.613.315
1.426.807
Salários e encargos sociais
331.438
297.112
Tributos e impostos a recolher
261.434
205.767
Valores a Pagar a Sociedades Ligadas
63.168
68.071
Instrumentos Financeiros
48.167
63.121
Dividendos a Pagar
2.347
124.911
Adiantamento de clientes
280.188
194.937
Outros
191.985
224.362
9.148.310
8.863.681
Empréstimos e Financiamentos e Tributos Parcelados
6.919.663
6.643.545
Passivo Atuarial
1.319.506
1.319.014
Contingências
317.142
289.313
Instrumentos Financeiros
401.800
393.442
Provisão para Recuperação Ambiental
123.266
135.740
Outros
66.933
82.627
19.108.383
19.158.721
Capital Social
12.150.000
12.150.000
Reservas e Lucro Acumulados
5.281.173
5.371.187
Participação dos Acionistas não Controladores
1.677.210
1.637.534
32.226.804
31.911.709
Circulante
Exigível a Longo Prazo
Balanço Patrimonial - Passivo - Consolidado
IFRS - R$ mil
Patrimônio Líquido
Total do Passivo
Passivo

background image
Resultados do 2T11 16
R$ mil
1S11
1S10
Var.
1S11/1S10
Receita Líquida de Vendas
6.089.135
6.629.433
-8%
Mercado Interno
5.193.573
5.658.076
-8%
Mercado Externo
895.562
971.357
-8%
Custo dos Produtos Vendidos
(5.370.364)
(5.103.207)
5%
Lucro Bruto
718.771
1.526.226
-53%
Margem Bruta
11,8%
23,0%
-11,2 p.p.
(Despesas) Receitas Operacionais
(335.826)
(310.647)
8%
Vendas
(206.382)
(172.036)
20%
Gerais e Administrativas
(261.523)
(245.932)
6%
Outras (Despesas) Receitas
132.079
107.321
23%
Lucro Operacional antes das Desp.Fin.
382.945
1.215.579
-68%
Margem Operacional
6,3%
18,3%
-12 p.p.
(Despesas) Receitas Financeiras
89.088 (172.249)
-
Receitas Financeiras
68.511
160.858
-57%
Despesas Financeiras
20.577 (333.107)
-
Participação em Controladas
31.697
29.040
9%
Lucro (Prejuízo) Operacional
503.730
1.072.370
-53%
Imposto de Renda / Contribuição Social
(206.191)
(374.530)
-45%
Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício das Operações Continuadas
297.539
697.840
-57%
Lucro (Prejuízo) Líquido das Operações Descontinuadas
(124.919)
92.099
-
Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício
172.620
789.939
-78%
Margem Líquida
2,8%
11,9%
-9,1 p.p.
Atribuível:
Aos acionistas da companhia
85.542
772.027
-89%
Participação dos não controladores
87.078
17.912
386%
EBITDA
702.266
1.582.460
-56%
Margem EBITDA
11,5%
23,9%
-12,4 p.p.
Depreciação e amortização
428.400
400.447
7%
Provisões
(109.079)
63.495
-
Demonstração do Resultado Acumulado - Consolidado
IFRS
R$ mil
2T11
1T11
2T10
Var.
2T11/1T11
Receita Líquida de Vendas
3.025.659
3.063.476
3.586.634
-1%
Mercado Interno
2.625.022
2.568.551
3.149.628
2%
Mercado Externo
400.637
494.925
437.006
-19%
Custo dos Produtos Vendidos
(2.605.607)
(2.764.757)
(2.760.288)
-6%
Lucro Bruto
420.052
298.719
826.346
41%
Margem Bruta
13,9%
9,8%
23,0%
+4,1 p.p.
(Despesas) Receitas Operacionais
(198.338)
(137.488)
(213.444)
44%
Vendas
(95.242)
(111.140)
(96.581)
-14%
Gerais e Administrativas
(135.635)
(125.888)
(122.472)
8%
Outras (Despesas) Receitas
32.539
99.540
69.967
-67%
Lucro Operacional antes das Desp.Fin.
221.714
161.231
677.260
38%
Margem Operacional
7,4%
5,3%
18,9%
+2.1 p.p.
(Despesas) Receitas Financeiras
45.615
43.473 (90.256)
5%
Receitas Financeiras
(7.282)
75.793
86.706
-
Despesas Financeiras
52.897 (32.320)
(176.962)
-
Participação em Controladas
13.721
17.976
14.884
-24%
Lucro (Prejuízo) Operacional
281.050
222.680
601.888
26%
Imposto de Renda / Contribuição Social
(124.451)
(81.740)
(239.819)
52%
Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício das Operações Continuadas
156.599
140.940
362.069
11%
Lucro (Prejuízo) Líquido das Operações Descontinuadas
- (124.919)
52.667
-
Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício
156.599
16.021
414.736
877%
Margem Líquida
5,2%
0,5%
11,6%
+4,7 p.p.
Atribuível:
Aos acionistas da companhia
111.632 (26.090)
406.704
-
Participação dos não controladores
44.967
42.111
8.032
7%
EBITDA
365.260
337.006
871.783
8%
Margem EBITDA
12,1%
11,0%
24,3%
+1,1 p.p.
Depreciação e amortização
215.160
213.240
200.466
1%
Provisões
(71.614)
(37.465)
58.415
91%
Demonstração do Resultado Trimestral - Consolidado
IFRS

background image
Resultados do 2T11 17
R$ mil
2T11
2T10
Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais
Lucro Líquido do Exercício
156.599
414.736
Encargos e Var. Monetárias/Cambiais líquidas
(133.015)
39.391
Despesas de Juros
126.124
87.222
Depreciação e Amortização
215.160
200.466
Resultado na venda de imobilizado
4.316
(1.215)
Participações nos lucros de Controladas e Coligadas
(13.721)
(14.884)
Resultado das operações descontinuadas
0
(52.667)
Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos
124.451
239.819
Constituição (reversão) de Provisões
30.640
(10.106)
Ganhos e perdas atuariais
(21.719)
(20.042)
Total
488.835
882.720
(Acréscimo)/Decréscimo de Ativos
Títulos e Valores Imobiliários
(11.843)
639
Contas a Receber de Clientes
92.701
(173.914)
Estoques
(350.483)
(279.227)
Impostos a Recuperar
(64.204)
4.321
Depósitos Judiciais
(18.334)
(10.231)
Valores a Receber de Empresas Ligadas
72
200
Outros
(130.128)
(1.028)
Total
(482.219)
(459.240)
Acréscimo/(Decréscimo) de Passivos
Fornecedores, Empreiteiros e Fretes
350.857
130.277
Valores a Pagar a Sociedades Ligadas
(7.672)
(21.482)
Adiantamentos de Clientes
85.251
(39.056)
Tributos a Recolher
837
(28.727)
Passivo Atuarial pago
(39.249)
(37.434)
Outros
(20.013)
129.792
Total
370.011
133.370
Caixa Proveniente das atividades Operacionais
376.627 556.850
Juros Pagos
(155.921)
(71.844)
Imposto de Renda e Contribuição Social
(31.588)
(155.537)
Caixa Líquido Proveniente das Atividades Operacionais
189.118 329.469
Fluxos de caixa das Atividades de Investimentos
Valor recebido pela alienação de investimentos
0
0
Valor pago pela aquisição de investimentos
0
0
Compras de imobilizado
(524.948)
(757.384)
Valor recebido pela venda de imobilizado
1.238
0
Compras de ativos intangíveis
(338)
(260)
Dividendos Recebidos
11.876
42.129
Caixa Líquido Aplicado nas Atividades de Investimentos
(512.172) (715.515)
Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamentos
Ingressos de Emprést., Financiam. e Debêntures
615.577
1.889.279
Pagamentos de Emprést., Financ. e Debênt.
(232.172)
(61.664)
Pagamento de tributos parcelados
(7.693)
(8.844)
Resgate de Operações de Swap
(12.445)
1.303
Dividendos e Juros sobre Capital Próprio
(304.687)
(345.524)
Caixa Líquido Proveniente das (Aplicado nas) Atividades de Financiamentos
58.580 1.474.550
Variação cambial sobre caixa e equivalentes de caixa
(5.122) 9.075
Aumento (redução) Líquido de Caixa e Equivalentes de Caixa
(269.596) 1.097.579
Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do Exercício
3.909.941
1.536.702
Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do Exercício
3.640.345
2.634.281
CONCILIAÇÃO COM A LINHA DE DISPONIBILIDADES NO BALANÇO PATRIMONIAL
Saldo inicial Caixa
3.909.941
1.536.702
Saldo inicial de Títulos e valores mobiliários
1.977.354
1.033.898
Disponibilidades no início do exercício
5.887.295
2.570.600
Aumento (redução) líquido de caixa e equivalentes de caixa
(269.596)
1.097.579
Aumento (redução) líquido de títulos
11.843
(639)
Saldo final Caixa
3.640.345
2.634.281
Saldo final de Títulos
1.989.197
1.033.259
Disponibilidades no final do exercício
5.629.542
3.667.540
Fluxo de Caixa - Consolidado
IFRS
background image
Resultados do 2T11 18
R$ mil
1S11
1S10
Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais
Lucro Líquido do Exercício
172.620
789.939
Encargos e Var. Monetárias/Cambiais líquidas
(216.681)
109.687
Despesas de Juros
249.766
157.163
Depreciação e Amortização
428.400
400.447
Resultado na venda de imobilizado
(18.355)
2.590
Participações nos lucros de Controladas e Coligadas
(31.697)
(29.039)
Resultado das operações descontinuadas
124.919
(92.099)
Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos
206.191
374.530
Constituição (reversão) de Provisões
(3.306)
(15.274)
Ganhos e perdas atuariais
(43.439)
(40.084)
Total
868.418
1.657.860
(Acréscimo)/Decréscimo de Ativos
Títulos e Valores Imobiliários
(1.591.410)
(48.408)
Contas a Receber de Clientes
114.618
(504.600)
Estoques
(344.925)
(361.705)
Impostos a Recuperar
(158.373)
4.287
Depósitos Judiciais
(31.651)
(19.761)
Valores a Receber de Empresas Ligadas
126
480
Outros
(46.921)
374
Total
(2.058.536)
(929.333)
Acréscimo/(Decréscimo) de Passivos
Fornecedores, Empreiteiros e Fretes
519.796
301.018
Valores a Pagar a Sociedades Ligadas
(25.464)
(19.771)
Adiantamentos de Clientes
99.460
122.865
Tributos a Recolher
10.200
62.196
Passivo Atuarial pago
(77.844)
(72.774)
Outros
(86.673)
32.923
Total
439.475
426.457
Caixa Proveniente das atividades Operacionais
(750.643) 1.154.984
Juros Pagos
(250.295)
(197.021)
Imposto de Renda e Contribuição Social
(126.057)
(211.255)
Caixa Líquido Proveniente das Atividades Operacionais
(1.126.995) 746.708
Fluxos de caixa das Atividades de Investimentos
Valor recebido pela alienação de investimentos
1.656.740
(32.527)
Valor pago pela aquisição de investimentos
(63)
0
Compras de imobilizado
(1.154.988)
(1.514.535)
Valor recebido pela venda de imobilizado
1.259
0
Compras de ativos intangíveis
(2.379)
(2.331)
Dividendos Recebidos
12.320
42.795
Caixa Líquido Aplicado nas Atividades de Investimentos
512.889 (1.506.598)
Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamentos
Ingressos de Emprést., Financiam. e Debêntures
909.001
2.132.010
Pagamentos de Emprést., Financ. e Debênt.
(412.017)
(431.703)
Pagamaneto de tributos parcelados
(14.808)
(20.433)
Resgate de Operações de Swap
(19.626)
(9.318)
Dividendos e Juros sobre Capital Próprio
(341.010)
(380.125)
Caixa Líquido Proveniente das (Aplicado nas) Atividades de Financiamentos
121.540 1.290.431
Variação cambial sobre caixa e equivalentes de caixa
(12.868) 5.544
Aumento (redução) Líquido de Caixa e Equivalentes de Caixa
(505.434) 536.085
Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do Exercício
4.145.779
2.098.196
Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do Exercício
3.640.345
2.634.281
CONCILIAÇÃO COM A LINHA DE DISPONIBILIDADES NO BALANÇO PATRIMONIAL
Saldo inicial Caixa
4.145.779
2.098.196
Saldo inicial de Títulos e valores mobiliários
397.787
984.851
Disponibilidades no início do exercício
4.543.566
3.083.047
Aumento (redução) líquido de caixa e equivalentes de caixa
(505.434)
536.085
Aumento (redução) líquido de títulos
1.591.410
48.408
Saldo final Caixa
3.640.345
2.634.281
Saldo final de Títulos
1.989.197
1.033.259
Disponibilidades no final do exercício
5.629.542
3.667.540
Fluxo de Caixa - Consolidado
IFRS