background image
Resultados do 1T11 1
R$ milhões
1T11
1T10
4T10
Var.
1T11/1T10
Produção aço bruto (mil t.)
1.783
1.820
1.588
-2%
Vendas Físicas (mil t.)
1.588
1.615
1.579
-2%
Receita Líquida
3.063
3.043
3.092
1%
Lucro (Prejuízo) Líquido
16
375
280
-96%
EBITDA (a)
337
711
332
-53%
Margem EBITDA
11,0%
23,4%
10,8%
-12,4 p.p.
Investimentos
1.025
757
975
35%
Caixa
5.887
2.571
4.554
129%
(a) Resultado operacional antes dos juros, impostos, depreciações, amortizações e participações.
Destaques Consolidados



Usiminas reforça a sua liquidez apesar da
pressão de custos e câmbio desfavorável

No 1T11, os principais destaques foram:
A produção de aço bruto e laminados totalizou 1,8 milhão e 1,7 milhão de toneladas
respectivamente, 12% e 8% superiores em relação à produção do 4T10.
A produção de minério alcançou 1,6 milhão de toneladas.
As vendas de produtos siderúrgicos ficaram estáveis em relação ao 4T10 e atingiram
1,6 milhão de toneladas.
A receita líquida foi de R$ 3,1 bilhões, um crescimento de 1% quando comparada a
receita do 1T10.
O EBITDA totalizou R$ 337 milhões e a margem EBITDA alcançou 11,0%.
A posição de caixa em 31/03/11 era de R$ 5,9 bilhões.
O índice dívida líquida/EBITDA em 31/03/11 era de 1,0 vez.
Os investimentos totalizaram R$ 1,0 bilhão, 35% superiores ao apurado no 1T10.













PARA DIVULGAÇÃO IMEDIATA - Belo Horizonte, 28 de Abril de 2011. Usinas Siderúrgicas de Minas Gerais S.A. - Usiminas
(BM&FBOVESPA: USIM3, USIM5 e USIM6; OTC: USDMY e USNZY; Latibex: XUSIO e XUSI) divulga hoje os resultados do primeiro
trimestre do exercício de 2011 (1T11). As informações operacionais e financeiras da Companhia, exceto quando indicado de outra
forma, são apresentadas com base em números consolidados e em reais, em conformidade com o IFRS (International Financial
Reporting Standards) As comparações realizadas neste comunicado levam em consideração o mesmo período de 2010, exceto
quando especificado em contrário.
Índice Interativo
ÍNDICE
Valor de Mercado: R$ 20,0 bilhões
BM&FBOVESPA: USIM5 R$ 19,75/ação
USIM3 R$ 28,00/ação
EUA/OTC: USNZY US$ 12,45/ADR
USDMY US$ 12,13/ADR
Latibex: XUSI 8,33
XUSIO 12,53
Dados de Mercado - 31/03/11
· Resultados Consolidados
· Desempenho das Unidades de Negócios:
- Siderurgia
- Mineração
- Siderurgia
- Transformação do Aço
- Bens de Capital
· Mercado de Capitais
· Balanço, DRE e Fluxo de Caixa
1T11
background image
Resultados do 1T11 2
Conjuntura Econômica
No cenário internacional, os EUA mostraram uma trajetória de recuperação no 1T11,
impulsionada pelo setor privado que contribuiu para redução da taxa de desemprego, apesar
das recentes preocupações com o ritmo da inflação naquele país. Na Zona do Euro, destaca-se
o crescimento da produção industrial em fevereiro, ante mesmo período de 2010. Na China, o
governo continua determinado a frear a escalada do nível de preços e a recente apreciação do
Yuan pode ajudar nesse movimento. Com os resultados negativos da balança comercial
chinesa em fevereiro, evidenciam-se os sinais da forte demanda doméstica deste país.
No Brasil, após o forte desempenho da economia em 2010, as expectativas se voltam para o
crescimento esperado para os próximos anos, os investimentos que já estão em andamento e
os que deverão acontecer para suportar o desenvolvimento do país. A demanda por aço
deverá acompanhar esse crescimento. Considerando as últimas estatísticas divulgados pelo
Instituto Aço Brasil (IABr), as importações brasileiras de aço já apresentaram queda
significativa em relação a média mensal de 2010. Alguns fatores contribuem para redução
acentuada na importação de produtos planos importados, tais como: redução dos estoques
internacionais de produtos siderúrgicos, o possível aumento da demanda externa, em virtude
do processo de reconstrução do Japão e conseqüentemente, a elevação dos preços
internacionais, que vêm apresentando recuperação desde dezembro de 2010.
Os principais indicadores da economia apontaram para um cenário de expansão da demanda
doméstica no 1T11 e para o restante do ano. A economia brasileira acelerou o ritmo nos
primeiros três meses do ano apesar dos esforços do governo para controlar a inflação. O
mercado de trabalho aquecido, a forte demanda das famílias e a recuperação da indústria
garantiram a continuidade do aquecimento da economia.
Desinvestimento na Ternium
A Usiminas informou aos seus acionistas e ao público em geral em 21/02/2011 a conclusão da
oferta pública de 21.628.728 American Depositary Shares ­ ADSs, representativas de ações da
Ternium S.A. detidas pela sua subsidiária integral, Usiminas Europa A/S. A operação totalizou
US$ 1,029 bilhão. A Usiminas participava com 14,25% do capital total da Ternium. Com a
conclusão da oferta pública e da operação de venda dessas ações, a Usiminas não mais detém
qualquer participação acionária na Ternium.
O efeito dessa operação no resultado do trimestre representou um impacto negativo de
aproximadamente R$ 125 milhões devido ao reconhecimento contábil das perdas cambiais
desse investimento, que está destacado na linha de Lucros (Prej.) das Operações
Descontinuadas na Demonstração de Resultado.
Resultados
Os resultados do trimestre foram afetados pela continuidade da pressão dos custos das
principais matérias primas e pelo câmbio desfavorável que incentiva a competição dos
produtos importados.
A Usiminas continua seguindo a sua estratégia de integração e verticalização produtiva na
busca de maior competitividade e de agregação de valor aos seus produtos e serviços. No
segmento de Mineração, a Mineração Usiminas vai concentrar os seus esforços e investimentos
na expansão da sua capacidade de produção que deverá alcançar 29 milhões de toneladas em
2015. Os investimentos em curso na siderurgia irão assegurar maior competitividade através
de melhorias no mix de produtos, melhor qualidade e menores custos, em linha com o
compromisso da Usiminas de priorizar a recuperação da sua competitividade, com foco em
redução de custos e a integração das suas Unidades de Negócios.
background image
Resultados do 1T11 3
1T11
1T10
4T10
11,0%
23,4%
10,8%
Margem EBITDA
1T11
1T10
4T10
5,3%
17,7%
4,4%
Margem Operacional
1T11
1T10
4T10
MI
84%
82%
81%
ME
16%
18%
19%
Total
100%
100%
100%
Distribuição da Receita Líquida
Desempenho Econômico e Financeiro
Comentários dos Resultados Consolidados
Receita Líquida
A receita do 1T11 decresceu cerca de 1% em relação à do 4T10, alcançando R$ 3,1 bilhões,
em decorrência, principalmente, da redução dos preços de aços planos praticados ao longo do
4T10 no mercado interno que afetaram integralmente o 1T11. Na exportação, os preços
médios foram positivamente impactados pela alta dos preços internacionais, apesar da
continuidade da valorização do real, que neutraliza parte destes efeitos positivos.





Custos dos Produtos Vendidos (CPV)
No 1T11, as principais matérias primas, como minério de ferro e carvão metalúrgico, continuaram
pressionando o custo. O CPV totalizou R$ 2,8 bilhões, apresentando uma redução de 4%, quando
comparado ao 4T10, que alcançou R$ 2,9 bilhões. Esta variação é reflexo, principalmente, dos
menores gastos com serviços de terceiros e mão de obra. Conseqüentemente, a margem bruta da
Companhia apresentou a seguinte evolução:

Despesas e Receitas Operacionais
No 1T11, foi apurada despesa operacional de R$ 137,5 milhões, comparado a uma despesa
operacional no valor de R$ 64,7 milhões registrada no 4T10, essa variação deriva principalmente
de maiores despesas com vendas e outras despesas e receitas. Dessa forma, a margem
operacional da Companhia apresentou o seguinte desempenho:
EBITDA
O EBITDA do 1T11 manteve-se estável em relação ao do 4T10, alcançando R$ 337 milhões. No
1T11 o volume de vendas destinado ao mercado interno alcançou 77%, uma evolução de nove
pontos percentuais em relação ao 4T10, entretanto o efeito positivo de maiores vendas no
mercado interno foi parcialmente compensado pelos menores preços médios de aço e
reajustes de preços das principais matérias-primas. As margens estão indicadas no quadro
abaixo:


1T11
1T10
4T10
9,8%
23,0%
6,5%
Margem Bruta
background image
Resultados do 1T11 4
R$ milhões
1T11
1T10
4T10
Var.
1T11/1T10
Var.
1T11/4T10
Efeitos Cambiais
57.793
(70.753)
54.371
-
6%
Variação Cambial
43.666
(62.315)
83.100
-
-47%
Swap
14.127
(8.438)
(28.729)
-
-
Valor de Mercado das Operações de Swap (Lei 11.638)
(2.147)
17.218
16.831
-
-
Efeitos Monetários
(12.274)
(10.157)
(11.066)
21%
11%
Receitas Financeiras
147.165
65.408
147.036
125%
0%
Despesas Financeiras
(147.064)
(83.709)
(165.848)
76%
-11%
RESULTADO FINANCEIRO LÍQUIDO
43.473
(81.993)
41.324
-
5%
Resultado Financeiro - Consolidado


Resultado Financeiro
No 1T11, foram apuradas receitas financeiras líquidas que totalizaram R$ 43,5 milhões,
comparáveis às receitas financeiras líquidas no valor de R$ 41,3 milhões do 4T10. Os ganhos
cambiais no trimestre foram de R$ 58 milhões, contra R$ 54 milhões apurados no 4T10, reflexo
da valorização do real frente ao dólar norte-americano de 2,3% no trimestre, contra uma
valorização de 1,7% ocorrida no 4T10.


Participação em Controladas
No 1T11, foi apurada uma receita de R$ 18 milhões, resultante, sobretudo, da participação na
MRS Logística.

Lucro Líquido
O lucro líquido do 1T11 totalizou R$ 16 milhões, contra um lucro líquido de R$ 280 milhões
registrado no 4T10.

Endividamento
A dívida bruta em 31/03/11 somava R$ 8,2 bilhões, praticamente no mesmo nível da dívida
bruta de R$ 8,1 bilhões em 31/12/10. A dívida líquida finalizou o trimestre em R$ 2,3 bilhões,
contra R$ 3,6 bilhões em 31/12/10. O índice divida líquida/EBITDA em 31/03/11 era de 1,0
vez, contra um índice de 1,4 vez em 31/12/2010. Vale destacar o robusto crescimento da
posição de caixa que ao final do 1T11 alcançou R$ 5,9 bilhões, positivamente impactado pela
venda da participação na Ternium e na Usifast.
No encerramento do trimestre, a composição da dívida por prazo de vencimento indicava: 16%
no curto prazo e 84% no longo prazo. A composição por moeda estava representada da
seguinte forma: 51% em moeda nacional e 49% em moeda estrangeira.
background image
Resultados do 1T11 5
31-dez-10
Curto Prazo
Longo Prazo
TOTAL
TOTAL
Moeda Estrangeira (*)
452.105
3.532.065
3.984.170
49%
4.087.780
-3%
TJLP
212.257
447.067
659.324
-
568.317
16%
Outras nacionais
293.925
2.353.086
2.647.011
-
2.573.394
3%
Debêntures
258.961
250.000
508.961
-
522.416
-3%
Tributos parcelados
66.971
61.327
128.298
-
128.093
0%
FEMCO
0
272.445
272.445
-
262.082
4%
Moeda Nacional
832.114
3.383.925
4.216.039
51%
4.054.302
4%
ENDIVIDAMENTO TOTAL
1.284.219
6.915.990
8.200.209
100%
8.142.082
1%
CAIXA e APLICAÇÕES
-
-
5.887.295
-
4.553.885
29%
ENDIVIDAMENTO LÍQUIDO
-
-
2.312.914
-
3.588.197
-36%
(*) 95% do total de moedas estrangeiras é US dolar
Empréstimos e Financiamentos por Indexador - Consolidado
R$ mil
31-mar-11
Var.
mar11/dez10
%
3551
513
529
742
814
778
226
225
223
16
150
2336
360
496
694
483
372
567
200
161
651
Caixa
2011
2012
2013
2014
2015
2016
2017
2018
2019
a partir de
2020
Moeda Local
Moeda Estrangeira
1.025
5.887
873
1.436
1.297
1.150
793
425
384
667
Duração da Dívida: R$: 42 meses
US$: 50 meses
150
Perfil de Vencimentos

background image
Resultados do 1T11 6
Mineração
Siderurgia
Transformação do
Aço
Bens de Capital
Mineração Usiminas*
Usina de Ipatinga
Soluções Usiminas*
Usiminas Mecânica*
Usina de Cubatão
Automotiva Usiminas*
Unigal *
* Controlada da Companhia
** Resultados contabilizados via participação em Controladas/Coligadas
Usiminas Consolidado
Participação na Metform
e Codeme**
R$ milhões
1T11
4T10
1T11
4T10
1T11
4T10
1T11
4T10
1T11
4T10
Receita Líquida de Vendas
213
234
2.691
2.553
595
591
325
391
3.063
3.092
Custo Produtos Vendidos
(58)
(83)
(2.684) (2.641)
(542)
(575)
(290)
(341)
(2.765) (2.891)
Lucro Bruto
155
151
7
(88)
53
16
35
50
299
201
(Despesas)/Receitas
Operacionais
(23)
(30)
(36)
73
(54)
(84)
(27)
(25)
(137)
(65)
Lucro (Prej.) Operacional
antes Financ.
132
121
(29)
(15)
(1)
(68)
8
25
161
137
EBITDA
138
154
116
107
17
(38)
15
35
337
332
MARGEM EBITDA
65%
66%
4%
4%
3%
-6%
5%
9%
11%
11%
Demonstração de Resultado por Unidades de Negócios - Pro-forma não auditado
Mineração
Siderurgia
Transformação
do aço
Consolidado
Bens de Capital
Desempenho das Unidades de Negócios
As transações entre as Companhias são apuradas em valores e condições de mercado.

I)
M I N E R A Ç Ã O

Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio ­ Mineração
A receita líquida do segmento de Mineração no 1T11 foi de R$ 213 milhões, 35% superior quando
comparada ao 1T10. Este acréscimo deve-se principalmente aos melhores preços praticados no
período.
O lucro bruto alcançou R$ 155 milhões. O acréscimo na receita refletiu-se diretamente no
crescimento da margem bruta, que passou de 58% no 1T10 para 73% no 1T11.
As despesas operacionais apresentaram um acréscimo de 28% em relação ao 1T10, sendo a
principal variação o aumento das despesas gerais e administrativas, devido, principalmente, aos
maiores gastos com desenvolvimento e estruturação da mineração como empresa.
O EBITDA apurado no trimestre foi de R$ 138 milhões, 70% superior ao do 1T10, gerando uma
margem de 65%.
background image
Resultados do 1T11 7
Mil toneladas
1T11
1T10
4T10
Var.
1T11/1T10
Var.
1T11/4T10
Produção
1.554 1.509
1.724
3%
-10%
Vendas
213
320
452
-33%
-53%
Transferências para as Usinas
1.035 1.372
975
-25%
6%
Total = Vendas + Transferências
1.248 1.692
1.427
-26%
-13%
Minério de Ferro


Desempenho Operacional e de Vendas
No primeiro trimestre, o volume de produção atingiu 1,6 milhão de toneladas, ligeiramente
superior ao do mesmo período do ano passado e pouco abaixo do planejado para o período. O
desempenho foi afetado pelas chuvas e manutenções na planta, apresentando, todavia,
recuperação no último mês do trimestre. No ano de 2011, a meta é atingir uma produção de oito
milhões de toneladas de minério de ferro.
O volume de vendas ficou abaixo do realizado no mesmo período de 2010, devido a exportações
que foram concluídas fora do trimestre, durante o mês de abril. Já o volume de minério destinado
às Usinas de Ipatinga e Cubatão atingiu aproximadamente 1,0 milhão de toneladas.
As vendas totais e as transferências às usinas de Ipatinga e de Cubatão estão demonstradas no
quadro abaixo:

Investimentos
No 4T10, foram aprovados projetos para a maximização da produção no curto prazo,
caracterizados por investimentos para recuperação de Pellet Feed e Sinter Feed no valor
aproximado de R$ 50 milhões, cujos desembolsos parciais ocorreram no 1T11.
No 1T11, houve ainda desembolsos referentes aos serviços de terraplenagem relativos aos
investimentos para a construção de novas plantas de concentração de Sinter Feed e Pellet Feed,
que elevarão a capacidade produtiva de 7,0 para 12,0 milhões ao fim de 2012.
Em linha com a estratégia de expansão da Mineração Usiminas, ações de ampliação e adequação
em sua infra-estrutura foram realizadas. Até 2012, estão previstos investimentos no valor total
de R$ 550 milhões.

Logística ­ Participação na MRS
A MRS Logística é uma concessionária que controla, opera e monitora a Malha Sudeste da Rede
Ferroviária Federal. A empresa atua no mercado de transporte ferroviário, interligando os
Estados do Rio de Janeiro, Minas Gerais e São Paulo, e seu foco de atividades consiste em
logística integrada no transporte de cargas gerais, como minério, produtos siderúrgicos
acabados, cimento, bauxita, produtos agrícolas, coque verde de petróleo e contêineres.
Os resultados do 1T11 da MRS ainda não haviam sido divulgados até a data deste release. A
MRS transportou nesse período o volume de 34,4 milhões de toneladas úteis de carga em geral,
dentre as quais, minério de ferro, carvão/coque, produtos siderúrgicos, cimento e outros.
background image
Resultados do 1T11 8
1.980
1.886
1.917
1.915
1.458
1.044
1.187
1.694
1.703
1.615
1.821
1.550
1.579
1.588
4T07
1T08
2T08
3T08
4T08
1T09
2T09
3T09
4T09
1T10
2T10
3T10
4T10
1T11
Mercado Externo
Mercado Interno
Vendas Consolidadas (mil t)
19%
19%
13%
16%
22%
25%
22%
33%
29%
27%
21%
20%
32%
81% 81% 87% 84% 78% 75% 78% 67% 71% 73% 79% 80% 68% 77%
23%
II)
S I D E R U R G I A


Produção de Aço Brasileira e Mundial
No encerramento do trimestre, registrou-se uma alta de 6% em comparação à produção do
1T10, totalizando cerca de 8,5 milhões de toneladas, conforme balanço divulgado pelo
Instituto Aço Brasil (IABr).

Já a produção mundial de aço bruto cresceu aproximadamente 6% em relação ao 1T10,
segundo dados divulgados pela World Steel Association, alcançando aproximadamente 365
milhões de toneladas.
Mercado de Aços Planos
Dados estimados mostram que o mercado brasileiro de aços planos consumiu no 1T11 o
equivalente a 3,1 milhões de toneladas, sendo 87% do volume fornecido pelas usinas locais e
13% por materiais importados.
O consumo apresentou uma elevação de 2% no 1T11 em relação ao 4T10, devido a uma
redução do nível de estoques no 2S10. Nesse cenário, as importações decresceram 52%, que se
justifica pela elevação de preços no mercado internacional ocorrido no último trimestre de 2010,
enquanto as vendas das usinas nacionais elevaram-se 24% no 1T11, em relação ao trimestre
anterior. A elevação das vendas das usinas brasileiras pode ser explicada, principalmente, pela
diminuição dos volumes importados e pela forte atividade econômica verificada através da
elevação da produção industrial nos meses de janeiro e fevereiro de 2011.

Produção - Usinas de Ipatinga e Cubatão
No 1T11, a produção de aço bruto nas usinas de Ipatinga e de Cubatão foi de 1,8 milhão de
toneladas, um aumento de 12% em relação ao 4T10. A produção de laminados foi de 1,7
milhão de toneladas, 8% acima da produção verificada no 4T10.
Vendas
As vendas físicas totais da Usiminas no 1T11 alcançaram o volume de 1,6 milhão de toneladas,
sendo 77% destinadas ao mercado interno, o que corresponde a 1,2 milhão de toneladas de
produtos e 15% maiores quando comparadas às vendas ao mercado interno no 4T10.
Já as exportações no 1T11 decresceram 30% em relação às do 4T10 e representaram 23% das
vendas do trimestre.


background image
Resultados do 1T11 9
Mil toneladas
Var.
1T11/1T10
Var.
1T11/4T10
VENDAS FÍSICAS TOTAIS
1.588
100%
1.615
100%
1.579
100%
-2%
1%
Chapas Grossas
411
26%
323
20%
383
24%
27%
7%
Laminados a Quente
477
30%
513
32%
430
27%
-7%
11%
Laminados a Frio
437
28%
481
30%
445
28%
-9%
-2%
Eletrogalvanizados
52
3%
53
3%
53
3%
-2%
-3%
Galvaniz. Imersão a Quente
128
8%
99
6%
105
7%
30%
23%
Produtos Processados
36
2%
32
2%
45
4%
14%
-19%
Placas
46
3%
114
7%
118
7%
-60%
-61%
MERC. INTERNO
1.230
77%
1.173
73%
1.069
68%
5%
15%
Chapas Grossas
265
16%
166
10%
265
17%
60%
0%
Laminados a Quente
429
27%
429
27%
327
21%
0%
31%
Laminados a Frio
315
20%
395
24%
270
17%
-20%
16%
Eletrogalvanizados
47
3%
47
3%
49
3%
0%
-3%
Galvaniz. Imersão a Quente
117
7%
85
6%
95
6%
37%
24%
Produtos Processados
28
2%
23
1%
36
2%
22%
-22%
Placas
28
2%
27
2%
27
2%
3%
2%
MERC. EXTERNO
358
23%
442
27%
510
32%
-19%
-30%
Chapas Grossas
146
9%
157
10%
118
7%
-7%
24%
Laminados a Quente
48
3%
84
5%
103
6%
-43%
-54%
Laminados a Frio
122
8%
86
5%
175
11%
42%
-30%
Eletrogalvanizados
4
0%
6
0%
4
0%
-24%
-5%
Galvaniz. Imersão a Quente
11
1%
13
1%
10
1%
-14%
15%
Produtos Processados
8
1%
9
1%
9
1%
-6%
-9%
Placas
18
1%
87
5%
91
6%
-79%
-80%
Distribuição de Vendas por Produto - Consolidado
1T10
4T10
1T11

Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio - Siderurgia
A Siderurgia obteve no 1T11 uma receita líquida de R$ 2,7 bilhões, 5% superior quando
comparada com a receita do 4T10, destacando-se:
aumento da participação do volume de vendas no mercado interno, que passou de 68%
no 4T10 para 77% no 1T11.
o preço médio por tonelada de laminado na exportação foi aproximadamente 12% maior
quando comparado com o do 4T10, passando de R$ 1.109 para R$ 1.243.
No 1T11, o CPV foi de R$ 2,7 bilhões, em linha com o apurado no 4T10.
O aumento das despesas e das receitas operacionais de R$ 109 milhões foi decorrente
principalmente da reversão de contingências e recuperação de impostos ocorrida no 4T10.
O EBITDA alcançou R$ 116 milhões. A margem EBITDA foi de 4,3% no 1T11.
Plano de Investimentos (Capex)
Os investimentos no imobilizado no 1T11 somaram R$ 1,0 bilhão. A situação atual dos
principais projetos de investimento nas usinas está detalhada abaixo:
A linha de chapas grossas em Ipatinga, com a nova tecnologia de Resfriamento
Acelerado ­ CLC, iniciou a sua operação no 4T10 e o investimento total alcançou R$
1,050 bilhão. Seus produtos estão em fase de homologação e deverão entrar em
operação comercial durante o 2T11.
background image
Resultados do 1T11 10
A nova linha de galvanização em Ipatinga entrou em fase pré-operacional no início de
abril de 2011. Esta linha de galvanização por imersão a quente irá expandir em 550 mil
toneladas a capacidade de produção atual de 480 mil toneladas por ano. Os
investimentos somaram R$ 914 milhões. Esse equipamento deverá estar operando a
plena capacidade a partir do 3T11.
A nova linha de tiras a quente em Cubatão representará investimentos de
aproximadamente R$ 2,5 bilhões e acrescentará 2,3 milhões de toneladas de
capacidade de laminação por ano.
III)
T
R A N S F O R M A Ç Ã O D O A Ç O
Soluções Usiminas
A Soluções Usiminas atua nos mercados de distribuição, serviços e tubos do país, oferecendo a
seus clientes produtos de alto valor agregado.
A empresa tem capacidade de processar mais de 2 milhões de toneladas de aço por ano e suas
14 unidades industriais, estrategicamente distribuídas nos Estados de Rio Grande do Sul, São
Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e Pernambuco, atendem os seguintes segmentos:
Automobilístico, Autopeças, Construção Civil, Distribuição, Eletroeletrônico, Máquinas e
Equipamentos, Utilidades Domésticas e outros.
As vendas da unidade de negócio Distribuição, Serviços e Tubos foram responsáveis por
respectivos 49%, 40% e 11% do volume faturado, destacando-se as vendas para os setores:
Automobilístico, Autopeças, Máquinas e Equipamentos Industriais, Utilidades Domésticas e
Construção Civil.
Automotiva Usiminas
A Automotiva Usiminas é a única empresa do setor de autopeças a produzir conjuntos
completos e cabines pintadas em sua cor definitiva, desde o desenvolvimento da matéria
prima até o produto final, passando pelos processos de estamparia, solda, pintura e
montagem.
Destaques
Foi inaugurada em 30 de março deste ano a nova linha de produção de cabines de caminhão.
Trata-se de uma linha automatizada que foi desenvolvida exclusivamente para montagem das
cabines do novo caminhão Ford Cargo. Uma nova linha de pintura também foi inaugurada, em
janeiro de 2011, com capacidade para produzir 72 mil unidades por ano. Outros investimentos
também estão programados para 2011 com foco no atendimento das necessidades dos
clientes da Automotiva Usiminas.
Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio Transformação do Aço.
A receita líquida no 1T11 totalizou R$ 595 milhões e foi 7% superior quando comparada ao
1T10. A relação CPV/receita líquida recuou de 97% no 4T10 para 91% no 1T11. As despesas
e receitas operacionais também recuaram 36% em relação ao 4T10. O EBITDA totalizou R$ 17
milhões. Contribuíram para esta evolução:
Soluções Usiminas: a receita líquida atingiu R$ 487 milhões, 5% acima da receita registrada
no 4T10.
Automotiva Usiminas: a receita líquida atingiu R$ 76 milhões, 13% acima da receita
registrada no 1T10.
background image
Resultados do 1T11 11
IV)
B E N S DE C A P I T A L

Usiminas Mecânica S.A.
A Usiminas Mecânica figura entre as maiores empresas de bens de capital do Brasil e atua em
diferentes áreas de negócios, como por exemplo:
Estruturas e Pontes Metálicas
Equipamentos Industriais
Montagens Industriais
Blanks e Estampagem
Fundição, Forjaria e Vagões Ferroviários
Unidade Epcista em Siderurgia
Unidade Epcista em Óleo & Gás

Destaques do Trimestre:
Fornecimento e montagem das estruturas metálicas da cobertura do Estádio
Governador Magalhães Pinto ("Mineirão") em Belo Horizonte ­ parte integrante das
obras para a Copa do Mundo de 2014.
Montagem dos staves coolers do Alto Forno nº 2 da usina da Usiminas em Cubatão.
Fornecimento de estruturas metálicas para a ampliação do complexo da mina de
Carajás para a Vale.
Fornecimento de blanks para os navios de apoio a plataformas marítimas para o
Estaleiro STX.
Investimentos
Fundição e forjaria: em processo de expansão e modernização, com previsão de
conclusão até o 4T11. A capacidade instalada alcançará 41 mil toneladas por ano;
Linhas de moldagem manual e mecanizada já contratadas. Início das obras ocorreu em
setembro de 2010;
Aquisição de máquina de solda específica para soldagem de painéis, para fabricação de
blocos navais de grande porte;
Aquisição de Torno Vertical para usinagem de peças, para atender a demanda da área
de fundição.
Comentário dos Resultados da Unidade de Negócio Bens de Capital
A receita líquida apurada no 1T11 foi de R$ 325 milhões, 11% superior quando comparado
com o 1T10.
A relação CPV/receita líquida passou de 87% no 4T10 para 89% no 1T11 e o lucro bruto
alcançou R$ 35 milhões no trimestre. O EBITDA do 1T11 totalizou R$ 15 milhões, 52% inferior
ao alcançado no 1T10. A margem EBITDA recuou 4 pontos percentuais e atingiu 4,6%,
decorrente da redução das margens provocada pela alta competitividade no setor.

background image
Resultados do 1T11 12
1T11
1T10
Var.
1T11/1T10
4T10
Var.
1T11/4T10
Número de Negócios
583.833
321.398
82%
478.642
22%
Média Diária
9.571
5.357
79%
7.847
22%
Quantidade Negociada - mil ações
426.376
304.800
40%
317.352
34%
Média Diária
6.990
5.080
38%
5.202
34%
Volume Financeiro - R$ milhões
8.490
7.851
8%
6.496
31%
Média Diária
139
131
6%
106
31%
Cotação Máxima
21,80
30,90
-29%
23,10
-6%
Cotação Mínima
18,25
22,94
-20%
18,30
0%
Cotação Unitária Final
19,75
30,46
-35%
19,16
3%
Quantidade Ações
1.013.786
1.013.786
0%
1.013.786
0%
Valor de Mercado - R$ milhões
20.022
30.880
-35%
19.424
3%
Resumo do Desempenho da Usiminas na BM&FBOVESPA (USIM5)

Mercado de Capitais
Desempenho na BM&FBOVESPA
A ação ordinária (USIM3) da Usiminas encerrou o 1T11 cotada a R$28,00 e a ação preferencial
(USIM5), cotada a R$19,75. A valorização no trimestre da USIM3 foi de 31,1% e a valorização
da ação USIM5 foi de 3,1%. No mesmo período, o Ibovespa registrou uma desvalorização de
1,0%. Em 31/03/11, o valor de mercado da Usiminas era de R$ 20,0 bilhões.

Bolsas Estrangeiras

OTC ­ Nova York
A Usiminas tem ADRs negociados no mercado de balcão americano ­ OTC (over-the-counter),
o USDMY, com lastro nas ações ordinárias, e o USNZY, com lastro em ações preferenciais
classe A. Em 31/03/11, o ADR USNZY, de maior liquidez, estava cotado a US$ 12,45 e
apresentou uma valorização no trimestre de 3,3%. Já o ADR USDMY fechou com o preço de
US$ 12,13.
Latibex ­ Madri
Em 31/03/11, a ação XUSI (preferencial) encerrou o trimestre cotada a 8,33 e apresentou
desvalorização de 2,0%. A ação XUSIO (ordinária) encerrou cotada a 12,53, com uma
valorização no trimestre de 31,1%.
ADR nível II
O Conselho de Administração da Usiminas aprovou em 29/03/2011 a proposta de conversão
do atual programa de American Depositary Receipts (ADRs) da Companhia para um programa
de ADRs nível II com ADRs listadas na Bolsa de Valores de Nova Iorque - New York Stock
Exchange - NYSE (ADR-II). A operação deve ser concluída ainda no ano de 2011, após análise
e homologação do plano de conversão de ADRs e documentos relacionados pela Securities
Exchange Commission (SEC).
background image
Resultados do 1T11 13
Cristina Morgan C. Drumond
cristina.drumond@usiminas.com
31-3499-8772
Matheus Perdigão Rosa
matheus.rosa@usiminas.com
31-3499-8056
Diogo Dias Gonçalves
diogo.goncalves@usiminas.com
31-3499-8710
Luciana Valadares dos Santos
luciana.santos@usiminas.com
31-3499-8619
SUPERINTENDÊNCIA DE RELAÇÕES COM INVESTIDORES
Horário em Brasília: às 11:00h
Telefone para conexão:
Brasil: (11) 4688.6361
Senha de acesso ao replay: 2636641 português
1T11 Teleconferência de Resultados - Data 28/04/2011
Horário em Nova York: às 10:00h
Telefone para conexão:
Veja apresentação de slides no website: www.usiminas.com/ri
EUA: (1 888) 700.0802
Senha de acesso ao replay: 4343109 inglês
Em Português - Tradução Simultânea para Inglês
O áudio da teleconferência será transmitido ao vivo pela internet
Audio replay disponível pelo telefone (11) 4688.6312
Demais países: (1 786) 924.6977






Para mais informações
Financial Investor Relations Brasil Banco Custodiante das Ações
ADR ­ Banco Depositário
Lígia Montagnani ­ Consultora
Departamento de Acionistas
Tel.: (55 11) 3500-5558
Fone: (55 11) 3684-9495
ligia.montagnani@firb.com
Visite o site de Relações com Investidores: www.usiminas.com/ri
ou acesse pelo seu celular: m.usiminas.com/ri
Declarações contidas neste comunicado relativas às perspectivas dos negócios, projeções de resultados operacionais e financeiros e
referências ao potencial de crescimento da Companhia constituem meras previsões, baseadas nas expectativas da Administração
em relação ao seu desempenho futuro. Essas expectativas são altamente dependentes do comportamento do mercado, da situação
econômica do Brasil, da indústria e dos mercados internacionais, portanto sujeitas a mudanças.
background image
Resultados do 1T11 14
Ativo
31/mar/11
31/dez/10
Circulante
13.795.145
12.305.384
Disponibilidades
5.887.295
4.553.885
Contas a Receber
1.753.953
1.760.751
Impostos a Recuperar
924.837
823.271
Estoques
4.892.753
4.898.311
Adiantamento de fornecedores
80.239
70.065
Instrumentos financeiros
25.947
24.294
Outros Títulos e Valores a Receber
230.121
174.807
Realizável a Longo Prazo
1.423.782
1.436.133
Impostos Diferidos
419.598
398.223
Depósitos Judiciais
453.056
443.879
Valores a Receber de Empresas Ligadas
5.906
5.960
Impostos a Recuperar
167.573
174.970
Instrumentos Financeiros
322.455
356.899
Outros
55.194
56.202
Permanente
16.692.782
18.078.042
Investimentos
405.718
2.061.186
Imobilizado
14.556.859
14.275.006
Intangível
1.730.205
1.741.850
Total do Ativo
31.911.709
31.819.559
Balanço Patrimonial - Ativo - Consolidado
IFRS - R$ mil
31/mar/11
31/dez/10
3.889.307
3.531.823
Empréstimos e Financiamentos e Tributos Parcelados
1.284.219
905.338
Fornecedores, Empreiteiros e Fretes
1.426.807
1.257.868
Salários e encargos sociais
297.112
287.209
Tributos e impostos a recolher
205.767
309.034
Valores a Pagar a Sociedades Ligadas
68.071
79.546
Instrumentos Financeiros
63.121
73.027
Dividendos a Pagar
124.911
159.819
Adiantamento de clientes
194.937
180.728
Outros
224.362
279.254
8.863.681
9.258.299
Empréstimos e Financiamentos e Tributos Parcelados
6.643.545
6.974.662
Passivo Atuarial
1.319.014
1.301.940
Contingências
289.313
314.954
Instrumentos Financeiros
393.442
437.195
Provisão para Recuperação Ambiental
135.740
134.910
Outros
82.627
94.638
19.158.721
19.029.437
Capital Social
12.150.000
12.150.000
Reservas e Lucro Acumulados
5.371.187
5.282.599
Participação dos Acionistas não Controladores
1.637.534
1.596.838
31.911.709
31.819.559
Balanço Patrimonial - Passivo - Consolidado
IFRS - R$ mil
Patrimônio Líquido
Total do Passivo
Passivo
Circulante
Exigível a Longo Prazo
background image
Resultados do 1T11 15
R$ mil
1T11
1T10
4T10
Var.
1T11/1T10
Receita Líquida de Vendas
3.063.476 3.042.799 3.092.460
1%
Mercado Interno
2.568.551 2.508.448 2.489.316
2%
Mercado Externo
494.925 534.351 603.144
-7%
Custo dos Produtos Vendidos
(2.764.757)
(2.342.919)
(2.891.253)
18%
Lucro Bruto
298.719 699.880 201.207
-57%
Margem Bruta
9,8%
23,0%
6,5%
-13,2 p.p
(Despesas) Receitas Operacionais
(137.488) (161.561) (64.690)
-15%
Vendas
(111.140) (75.455) (91.159)
47%
Gerais e Administrativas
(125.888)
(123.460)
(148.680)
2%
Outras (Despesas) Receitas
99.540
37.354 175.149
166%
Lucro Operacional antes das Desp.Fin.
161.231 538.319 136.517
-70%
Margem Operacional
5,3%
17,7%
4,4%
-12,4 p.p
(Despesas) Receitas Financeiras
43.473 (81.993)
41.324
-
Receitas Financeiras
75.793
74.152 154.004
2%
Despesas Financeiras
(32.320)
(156.145)
(112.680)
-79%
Participação em Controladas
17.976
14.156
18.011
27%
Lucro (Prejuízo) Operacional
222.680 470.482 195.852
-53%
Imposto de Renda / Contribuição Social
(81.740)
(134.711)
46.193
-39%
Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício das Operações Continuadas
140.940 335.771 242.045
-58%
Lucro (Prejuízo) Líquido das Operações Descontinuadas
(124.919)
39.432
37.832
-
Lucro (Prejuízo) Líquido do Exercício
16.021 375.203 279.877
-96%
Margem Líquida
0,5%
12,3%
9,1%
-11,8 p.p
Atribuível:
Aos acionistas da companhia
(26.090)
365.323 285.772
-
Participação dos não controladores
42.111
9.880 (5.895)
326%
EBITDA
337.006 710.677 332.448
-53%
Margem EBITDA
11,0%
23,4%
10,8%
-12,4 p.p
Depreciação e amortização
213.240 199.981 217.881
7%
Provisões
(37.465) (27.623) (21.950)
36%
Demonstração do Resultado Trimestral - Consolidado
IFRS


background image
Resultados do 1T11 16
R$ mil
1T11
1T10
Fluxos de Caixa das Atividades Operacionais
Lucro Líquido do Exercício
16.021
375.203
Encargos e Var. Monetárias/Cambiais líquidas
(83.666)
70.296
Despesas de Juros
123.642
69.941
Depreciação e Amortização
213.240
199.981
Resultado na venda de imobilizado
(22.671)
3.805
Participações nos lucros de Controladas e Coligadas
(17.976)
(14.155)
Resultado das operações descontinuadas
124.919
(39.432)
Imposto de Renda e Contribuição Social diferidos
8.144
(29.587)
Constituição (reversão) de Provisões
(33.946)
45.117
Ganhos e perdas atuariais
(21.720)
(70.327)
Participação de minoritários
0
0
Total
305.987
610.842
(Acréscimo)/Decréscimo de Ativos
Títulos e Valores Imobiliários
(1.579.567)
(49.047)
Contas a Receber de Clientes
6.798
(330.686)
Estoques
5.558
(82.478)
Impostos a Recuperar
(94.169)
(34)
Depósitos Judiciais
(13.317)
(9.530)
Valores a Receber de Empresas Ligadas
54
280
Outros
98.326
1.402
Total
(1.576.317)
(470.093)
Acréscimo/(Decréscimo) de Passivos
Fornecedores, Empreiteiros e Fretes
168.939
170.741
Valores a Pagar a Sociedades Ligadas
(17.792)
1.711
Adiantamentos de Clientes
14.209
161.921
Tributos a Recolher
9.363
90.923
Imposto de Renda e Contribuição Social
(36.041)
3.731
Juros Pagos
(94.374)
(125.177)
Passivo Atuarial pago
(38.595)
(36.857)
Participações dos acionistas não controladores
0
0
Outros
(51.492)
9.497
Total
(45.783)
276.490
Caixa Líquido Proveniente das Atividades Operacionais
(1.316.113) 417.239
Fluxos de caixa das Atividades de Investimentos
Valor recebido pela alienação de investimentos
1.656.740
0
Valor pago pela aquisição de investimentos
(63)
(32.527)
Compras de imobilizado
(630.040)
(757.151)
Valor recebido pela venda de imobilizado
21
0
Compras de ativos intangíveis
(2.041)
(2.071)
Aquisição de subsidiária, menos Caixa Líquido
0
0
Dividendos Recebidos
444
666
Caixa Líquido Aplicado nas Atividades de Investimentos
1.025.061 (791.083)
Fluxos de Caixa das Atividades de Financiamentos
Ingressos de Emprést., Financiam. e Debêntures
293.424
242.731
Pagamentos de Emprést., Financ. e Debênt.
(190.164)
(370.039)
Recebimentos decorrente de emissão de ações de Controladas
0
0
Pagamaneto de tributos parcelados
(7.115)
(11.589)
Resgate de Operações de Swap
(7.181)
(10.621)
Dividendos e Juros sobre Capital Próprio
(36.323)
(34.601)
Caixa Líquido Proveniente das (Aplicado nas) Atividades de Financiamentos
52.641 (184.119)
Variação cambial sobre caixa e equivalentes de caixa
(7.746) (3.531)
Aumento (redução) Líquido de Caixa e Equivalentes de Caixa
(246.157) (561.494)
Caixa e Equivalentes de Caixa no Início do Exercício
4.156.098
2.098.196
Caixa e Equivalentes de Caixa no Final do Exercício
3.909.941
1.536.702
CONCILIAÇÃO COM A LINHA DE DISPONIBILIDADES NO BALANÇO PATRIMONIAL
Saldo inicial Caixa
4.156.098
2.098.196
Saldo inicial de Títulos e valores mobiliários
397.787
984.851
Disponibilidades no início do exercício
4.553.885
3.083.047
Aumento (redução) líquido de caixa e equivalentes de caixa
(246.157)
(561.494)
Aumento (redução) líquido de títulos
1.579.567
49.047
Saldo final Caixa
3.909.941
1.536.702
Saldo final de Títulos
1.977.354
1.033.898
Disponibilidades no final do exercício
5.887.295
2.570.600
Fluxo de Caixa - Consolidado
IFRS